Acusado de 'demo', Kassab aparece ao lado do Padre Marcelo

Na quinta, Marta acusou atual prefeito de 'demo da catraca'; ele negou caráter eleitoral em visita ao religioso

Carolina Freitas, da Agência Estado

19 de setembro de 2008 | 13h11

Um dia após ter sido chamado de "demo da catraca" por Marta Suplicy  (PT), o prefeito de São Paulo e candidato do DEM à reeleição,  Gilberto Kassab , buscou nesta sexta-feira, 19,  uma ajuda divina para sua campanha. Negando caráter eleitoral, Kassab visitou o autódromo de Interlagos, na zona Sul, ao lado do padre Marcelo Rossi e de D. Fernando Figueiredo, bispo da diocese de Santo Amaro. E admitiu que uma ajuda de Deus sempre é bem-vinda.   Veja Também: Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Marta tem 37%; Alckmin e Kassab estão empatados, diz pesquisa Ibope: Veja números das últimas pesquisas    Os religiosos também se esforçaram em dissociar o evento da campanha. "Eu sou Igreja, e Igreja não tem partido", disse Padre Marcelo. D. Fernando, no entanto, deixou escapar: "O Prefeito sempre nos deu um grande apoio nesses anos todos. A ingratidão seria o pior dos pecados que nós poderíamos ter no nosso coração." Kassab vistoriou obras de ampliação do autódromo, que permitirão abrigar eventos de grande porte. Padre Marcelo teria sido o autor da idéia e por isso foi convidado para a visita.   Kassab se esquivou, mais uma vez, de responder qualquer questionamento sobre a batalha pelo segundo lugar nas eleições que vem travando com o ex-aliado Geraldo Alckmin (PSDB). A cada pergunta, o prefeito repetia uma frase ensaiada de que sua campanha é feita de "realizações e propostas". Porém, fez uma alusão aos pilotos Lewis Hamilton e Felipe Massa, que lutam pelo primeiro lugar nesta temporada da Fórmula 1, numa referência à disputa acirrada que trava com Alckmin na briga por uma vaga no segundo turno. E alfinetou: "Tanto eu quanto Felipe Massa seremos campeões, porque o Brasil todo torce pelo Massa."   O prefeito comemorou o resultado da mais recente pesquisa DataFolha de intenção de voto divulgada ontem (18) e deu a entender que não está preocupado com os 2 pontos porcentuais ganhos pelo candidato tucano. "Divido esse momento tão feliz com nossa excelente equipe, com o governo José Serra (PSDB) e com os partidos aliados, incluindo o PSBD", provocou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.