Filipe Araujo/Estadão
Filipe Araujo/Estadão

Abstenção deve superar votos válidos em 2º turno da eleição no Tocantins, estimam candidaturas

Expectativa é compartilhada pelas equipes dos candidatos Mauro Carlesse (PHS) e senador Vicentinho Alves (PR)

Célia Bretas Tahan, especial para o Estado

24 de junho de 2018 | 17h35

PALMAS - Como ocorreu no primeiro turno da eleição suplementar no Tocantins, a abstenção deve ser maior do que os votos computados para os dois candidatos a governador, no segundo turno, realizado neste domingo, 24. 

A abstenção deve chegar a 50%, segundo previsão das equipes do presidente da Assembleia e governador interino Mauro Carlesse (PHS) e o senador Vicentinho Alves.  Na primeira oportunidade eleitoral, há mais de três semanas, os dois primeiros candidatos somaram 302 mil votos e a abstenção superou 305 mil.

Quinze urnas precisaram ser trocadas em todo o Estado e não houve nenhuma ocorrência de crime eleitoral, segundo informou o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-TO). O novo governador fica no cargo até 31 de dezembro, quando assumirá o mandatário a ser eleito em outubro.

+++ Sete pessoas são presas por supostos crimes eleitorais no Tocantins

A eleição suplementar no Tocantins foi determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), depois que a corte cassou o mandato do governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice-governadora Claudia Lelis (PV), por uso de caixa dois no pleito de 2014. De acordo com a minirreforma eleitoral de 2015, no impedimento de titular e vice do Executivo estadual ou municipal, até seis meses antes do término do mandado, é realizada nova eleição direta.

+++ No Tocantins, Mauro Carlesse e Vicentinho vão para o 2º turno

Já por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 8 de março deste ano, cabe ao TSE determinar novas eleições, mesmo antes de esgotados todos os recursos. Anteriormente, o governador ou prefeito cassado podia permanecer no cargo até o trânsito em julgado de todo o processo.

+++ Perguntas e respostas: Por que o Tocantins teve uma eleição suplementar?

No caso de Miranda, a cassação, com efeito imediato, ocorreu em 22 de março. Em 6 de abril, ele voltou ao governo, amparado por liminar do ministro Gilmar Mendes, do STF. Menos de duas semanas depois, em 19 de abril, teve de deixar o cargo novamente, quando o TSE rejeitou os embargos de declaração interpostos por sua defesa. Miranda recorreu novamente ao STF e, desta vez, em 16 de maio, Gilmar Mendes negou a liminar, mantendo a cassação.

O ex-governador já havia sido cassado em 2009, por abuso de poder econômico e político na eleição de 2006. Em 2010, candidatou-se ao Senado. Eleito, não pôde tomar posse, por estar inelegível. Na época, assumiu o mandato de senador Vicentinho Alves (PR), que, agora, concorre ao mandato tampão de governador do Tocantins.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.