Filipe Araujo/Estadão
Filipe Araujo/Estadão

Abstenção deve superar votos válidos em 2º turno da eleição no Tocantins, estimam candidaturas

Expectativa é compartilhada pelas equipes dos candidatos Mauro Carlesse (PHS) e senador Vicentinho Alves (PR)

Célia Bretas Tahan, especial para o Estado

24 Junho 2018 | 17h35

PALMAS - Como ocorreu no primeiro turno da eleição suplementar no Tocantins, a abstenção deve ser maior do que os votos computados para os dois candidatos a governador, no segundo turno, realizado neste domingo, 24. 

A abstenção deve chegar a 50%, segundo previsão das equipes do presidente da Assembleia e governador interino Mauro Carlesse (PHS) e o senador Vicentinho Alves.  Na primeira oportunidade eleitoral, há mais de três semanas, os dois primeiros candidatos somaram 302 mil votos e a abstenção superou 305 mil.

Quinze urnas precisaram ser trocadas em todo o Estado e não houve nenhuma ocorrência de crime eleitoral, segundo informou o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-TO). O novo governador fica no cargo até 31 de dezembro, quando assumirá o mandatário a ser eleito em outubro.

+++ Sete pessoas são presas por supostos crimes eleitorais no Tocantins

A eleição suplementar no Tocantins foi determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), depois que a corte cassou o mandato do governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice-governadora Claudia Lelis (PV), por uso de caixa dois no pleito de 2014. De acordo com a minirreforma eleitoral de 2015, no impedimento de titular e vice do Executivo estadual ou municipal, até seis meses antes do término do mandado, é realizada nova eleição direta.

+++ No Tocantins, Mauro Carlesse e Vicentinho vão para o 2º turno

Já por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 8 de março deste ano, cabe ao TSE determinar novas eleições, mesmo antes de esgotados todos os recursos. Anteriormente, o governador ou prefeito cassado podia permanecer no cargo até o trânsito em julgado de todo o processo.

+++ Perguntas e respostas: Por que o Tocantins teve uma eleição suplementar?

No caso de Miranda, a cassação, com efeito imediato, ocorreu em 22 de março. Em 6 de abril, ele voltou ao governo, amparado por liminar do ministro Gilmar Mendes, do STF. Menos de duas semanas depois, em 19 de abril, teve de deixar o cargo novamente, quando o TSE rejeitou os embargos de declaração interpostos por sua defesa. Miranda recorreu novamente ao STF e, desta vez, em 16 de maio, Gilmar Mendes negou a liminar, mantendo a cassação.

O ex-governador já havia sido cassado em 2009, por abuso de poder econômico e político na eleição de 2006. Em 2010, candidatou-se ao Senado. Eleito, não pôde tomar posse, por estar inelegível. Na época, assumiu o mandato de senador Vicentinho Alves (PR), que, agora, concorre ao mandato tampão de governador do Tocantins.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.