ABGLT faz campanha contra Crivella no Rio

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) divulgou hoje um manifesto pedindo aos cidadãos do Rio para que não votem no senador Marcelo Crivella (PRB), nas eleições municipais do próximo domingo. Segundo a entidade, o senador é homofóbico e "não respeita a Constituição Federal, nos princípios da igualdade e da não-discriminação". No manifesto, a ABGLT cita declarações e ações nas quais o senador teria demonstrado sua homofobia. A principal delas seria sua oposição à aprovação do Projeto de Lei 122 (em tramitação no Congresso desde 2006), cujo propósito é caracterizar como crime qualquer tipo de discriminação contra minorias sexuais. Em entrevista ao jornal O Globo, o senador classificou como "excrescência" o projeto de lei. "Ninguém pode ter neste País a obrigação de concordar que não se pode criticar o homossexualismo", afirmou.O senador é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e primo do empresário Edir Macedo, fundador e líder daquela denominação evangélica. O temor da ABGLT no caso de uma possível vitória de Crivella é o avanço do fundamentalismo religioso sobre a estrutura do Estado, que deve ser democrática. "Solicitamos às pessoas que querem um Estado democrático e não fundamentalista que não votem para Crivella para prefeito do Rio", diz o texto do manifesto. "O Rio é a cidade símbolo da diversidade e não merece ter um prefeito que não respeita a comunidade LGBT". Essa não é a primeira vez que o candidato enfrenta críticas de fundamentalismo religioso. Em todas as vezes ele tem prometido não confundir o seu papel de prefeito com o de líder religioso. Durante a sabatina realizada pelo Grupo Estado, no final de agosto, Crivella também prometeu não levar integrantes da Igreja Universal para o governo. "O Rio não precisa de líder religioso, de guerra religiosa", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.