A ilusão de uma CPI a favor

A criação da CPI do Cachoeira produziu nos bastidores de Brasília uma semana de intensas discussões sobre sua lógica política - da forma como esta é exercida pelas agremiações partidárias no país. A leitura mais corrente é a de que o PT, feita uma espécie de relação custo/benefício, concluiu que tem mais a ganhar do que a perder com a investigação das ligações públicas e privadas do jogo clandestino.

JOÃO BOSCO RABELLO, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2012 | 03h05

Perderia, de pronto, um governador - Agnelo Queiroz, do DF -, mas produziria estragos no rival aliado, o PMDB, e, principalmente, relativizaria a gravidade do mensalão, prestes a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na pior das hipóteses, em ano de eleições municipais não seria o único partido sob julgamento por desvios políticos e legais.

Nada disso, porém, tem consistência para explicar a razão de um governo e seu partido comemorarem uma CPI - instrumento, por origem, da minoria, pela primeira vez instalado por iniciativa da maioria. É ilusão acreditar que a CPI possa se contrapor ao mensalão - ambos caminharão paralelos ampliando a ação saneadora sobre modos e costumes políticos de há muito condenados pela sociedade.

O que, de fato, o PT espera é que a CPI alcance o Judiciário e mine sua credibilidade como julgador dos crimes políticos do partido. Outra ilusão, porque o eventual envolvimento de uma autoridade não compromete todo o Poder.

Nos últimos dias, os petistas parecem ter se dado conta de que deram um "tiro no pé", conforme já sussurram pelos corredores do Congresso. A boa notícia é que a "trapalhada" serve ao País, que ganha com as investigações .

Gilmar Mendes,

o alvo do PT

O PT alimenta a expectativa de explorar as relações pessoais do senador Demóstenes Torres (GO) com o ministro Gilmar Mendes, do STF, cuja enteada já trabalhou como funcionária no gabinete do parlamentar. Nesse elo, do qual o PT aspira extrair mais alguma coisa, estaria

o embrião para arguir o impedimento do ministro no julgamento de

Demóstenes no tribunal.

E, por extensão, questionar sua

credibilidade como julgador do

mensalão, no qual é voto certo contra os interesses do partido.

Tiro n'água

Uma semana antes da decisão de criar a CPI do Cachoeira, a ministra Ideli Salvatti era uma das mais entusiasmadas defensoras da investigação. Numa reunião na casa de Jilmar Tatto, ela pediu a CPI alegando que nada respingaria no governo. O encontro reuniu petistas insatisfeitos com o afastamento de Candido Vaccarezza da liderança do governo. Dias depois, o assessor da Presidência Olavo Noleto seria flagrado nos muitos grampos da Polícia Federal.

Na berlinda

Durante a reunião no gabinete de José Sarney (PMDB-AP) para discutir a CPI do Cachoeira, o líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA), alardeava aos presentes que pediria a convocação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Um dos objetivos do PT, com a investigação, é tentar desestabilizar o Judiciário, às vésperas do julgamento do mensalão. Gurgel segurou por dois anos o pedido de investigação de Demóstenes Torres no Supremo.

Coisas do passado

Cotado para o Ministério do Trabalho, Vieira da Cunha (PDT-RS) relatou a CPI que investigou ligações do PT com o jogo do bicho no Rio Grande do Sul em 2001 e atingiu o governo Olívio Dutra - quando Dilma Roussef era secretária de Minas e Energia - e contribuiu para a derrota do partido no ano seguinte para a aliança PMDB-PSDB. Dilma trocou o PDT pelo PT no ano da CPI.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI do Cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.