TIAGO QUEIROZ / ESTADAO
TIAGO QUEIROZ / ESTADAO

'A gente criou um segundo centro', diz Márcio França

Candidato do PSB vota em São Paulo e fala em 'centro de bom senso'

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2020 | 12h39

O ex-governador Márcio França, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSB, disse neste domingo, 15, que criou "um segundo centro". O postulante chegou às 10h30 para votar na Escola Estadual Professora Ludovina Credidio Peixoto, no Itaim Bibi, acompanhado de sua mulher, Lúcia França, e do vice de sua chapa, o sindicalista Antonio Neto (PDT).

"Eu procurei encontrar um eixo que é mais ou menos um segundo centro. Tem o centro que (o atual prefeito) Bruno (Covas) ocupa, e a gente criou um segundo centro, que é  uma novidade no Brasil", afirmou. 

"Você tem um extremo do PSOL, um extremo do Russomanno. E a gente fez um segundo centro aqui no meio, que eu tenho chamado de centro de bom senso", acrescentou. 

O ex-governador afirmou que Covas é o seu principal adversário na disputa e que Guilherme Boulos (PSOL) é seu maior oponente no primeiro turno. Na pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada neste sábado, dia 14, Covas tinha 38% dos votos válidos contra 16% de Boulos, 13% de França e outros 13% do candidato Celso Russomanno (Republicanos). Boulos, França e Russomanno estão em empate técnico. 

Depois, o ex-governador seguiu para a PUC, para acompanhar o voto de Neto.

Para Entender

Entenda o que muda nas eleições 2020 por causa da pandemia

Fim das coligações para vereadores e criminalização de fake news estão entre as principais novidades dos pleitos municipais deste ano

"No segundo turno, os debates são muito decisivos, porque é um contra um. Você consegue ver quem é mais bem preparado, mais experiente, quem tem mais pulso", disse, sobre sua expectativa de disputar a Prefeitura contra Covas no segundo turno. 

Ele vai acompanhar a apuração com a mulher em sua residência, na Vila Clementino, próximo ao Parque Ibirapuera.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.