Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

A est(ética) da vingança

Quentin Tarantino comemora 50 anos como criador de um estilo que mistura vários gêneros clássicos e modernos do cinema com tanto talento e personalidade que acabou criando um novo: o gênero Tarantino, feito de violência estilizada, diálogos desconcertantes e narrativas fragmentadas e marcadas pelo humor cáustico, o amor ao cinema e à cultura pop.

NELSON MOTTA, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2013 | 02h06

Texano de origem italiana e Cherokee, o multicultural Tarantino fez a sua formação cinematográfica de forma tipicamente moderna, como balconista de uma locadora de vídeos. Viu tudo, do trash ao cinema de arte, misturou e escreveu seus primeiros roteiros, Amor a queima roupa, e o violentíssimo Assassinos por Natureza, que foi dirigido por Oliver Stone e provocou grande polêmica.

Estreou como a maior promessa do cinema independente americano com o violento e estiloso Cães de Aluguel, abrindo caminho para Pulp Fiction. Com sua brutalidade e sofisticação, seu humor e seus diálogos doidões, o filme ganhou a Palma de Ouro em Cannes e estabeleceu novos padrões para o cinema independente, se tornando um cult e uma das maiores bilheterias da década.

Com o seu malandro e subestimado Jackie Brown, Tarantino homenageou os filmes negros dos anos 70, os blaxploitation movies, provocando polêmicas raciais com Spike Lee e não conquistando o sucesso que merecia.

Em Kill Bill - volumes 1 e 2, se apropriou da estética dos filmes de artes marciais e das historias em quadrinhos para contar uma saga de vingança que lotou os cinemas e tirou o fôlego do público.

No drama de guerra Bastardos Inglórios desafiou o impossível e reescreveu a história, na vingança de uma judia que perde a família na guerra e explode um cinema sobre Hitler e toda a alta hierarquia do nazismo. A estética a serviço da ética fazendo justiça poética.

Com apenas sete longas, Tarantino já conquistou seu lugar na história do cinema como um estilista de estilos e em Django livre a inspiração é o western spaghetti, de novo uma vingança, mas de um herói negro lutando por amor e justiça durante a escravidão nos Estados Unidos.

Agora só falta um musical. Violento e vingativo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.