Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

A 12 dias das eleições, conselho de fake news do TSE se reúne com Whatsapp

Disseminação de notícias falsas sobre as eleições 2018 no aplicativo atingiram a imagem da Justiça Eleitoral; conselheiros ouvidos pelo 'Estado' acreditam que Corte subestimou o impacto das informações falsas

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2018 | 15h38

A 12 dias do segundo turno das eleições, o Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se reúne na tarde desta terça-feira, 16, por teleconferência com representantes do WhatsApp para discutir a proliferação de notícias falsas no aplicativo. Para conselheiros ouvidos reservadamente pelo Estadão/Broadcast, a Corte Eleitoral subestimou o impacto da proliferação de notícias falsas durante a campanha e está "atuando a reboque dos fatos". Já ministros do TSE divergem na avaliação sobre o papel do tribunal no enfrentamento do problema.

O WhatsApp entrou na mira do conselho após o impacto da disseminação de "fake news" no primeiro turno das eleições, que atingiram inclusive a imagem da Justiça Eleitoral e lançaram suspeitas sobre a lisura do sistema eletrônico de votação. Procurado pela reportagem, o WhatsApp não se pronunciou.

"O TSE tomou as providências que lhe cabia. No mais, não pode um tribunal agir de ofício, tem de ser provocado pelos interessados e prejudicados, o que está acontecendo muito pouco", disse o ministro Admar Gonzaga. "Os ministros Gilmar Mendes, Luiz Fux e Rosa Weber (que ocuparam a presidência do TSE ao longo deste ano) fizeram tudo que lhes competia fazer, também voltados aos limites da interferência na liberdade de informação e manifestação", completou Gonzaga.

Por outro lado, um segundo integrante da Corte Eleitoral ouvido reservadamente acredita que a atuação do conselho neste momento "não cabe mais", já que o ideal seria a elaboração de estratégias em uma fase anterior à eleição. Um terceiro ministro, que também pediu para não ser identificado, acredita que a imprensa "supervalorizou" declarações inconsistentes e notícias falsas.

O conselho de fake news passou quatro meses sem se reunir, se encontrando pela primeira vez durante a campanha eleitoral na última quarta-feira, 10, depois do primeiro turno das eleições. Na ocasião, conselheiros afirmaram que o tribunal está trabalhando em um aplicativo para que os próprios usuários denunciem "fake news" à Justiça Eleitoral. Na próxima segunda-feira, 22, deverá haver uma nova reunião do grupo, desta vez com as presenças de representantes do Facebook e do Google.

Ambiente

 A disseminação de notícias falsas deverá ser um dos temas tratados na reunião convocada para esta quarta-feira, 17, pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, com advogados eleitorais das campanhas de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), que disputam o segundo turno das eleições. Segundo um auxiliar do TSE, a ideia do encontro é chamar as candidaturas para "manter um ambiente sereno" no segundo turno das eleições. A reunião estava prevista inicialmente para esta terça-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.