Paulo Mocofaya / Ascom ALBA
Paulo Mocofaya / Ascom ALBA

79,4% dos deputados estaduais da Bahia tentarão manter seus mandatos nas eleições 2018

Somente quatro parlamentares da Assembleia não disputarão cargos eletivos neste ano

Yuri Silva, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2018 | 11h23

SALVADOR - Dos 63 deputados estaduais que compõem a atual legislatura da Assembleia Legislativa da Bahia, 50 - ou 79,4% - tentarão se reeleger nas eleições 2018. Outros oito deputados  - 12,7% - tentarão vagas na Câmara, enquanto um dos legisladores, justamente o presidente do Legislativo baiano, Ângelo Coronel (PSD), postulará o Senado.

Quatro deputados da atual legislatura (6,3%) não disputarão nenhum mandato nas eleições 2018: Luiza Maia (PT), Gika Lopes (PT), Fábio Souto (DEM) e Paulo Câmera (PR). Apenas Câmera, contudo, que está no sexto mandato como deputado estadual, e Souto, que atuou como deputado federal por três mandatos, filho do ex-governador da Bahia Paulo Souto, sairão definitivamente da vida política. Câmera afirmou à reportagem que pretende se aposentar, após 24 anos no cargo. Souto declarou que uma "questão íntima" o fez desistir de disputar eleição. "A política não está me fazendo bem, vou buscar outros caminhos", afirmou.

Licenciada do cargo para assumir a Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Luiza Maia afirmou que é pré-candidata a prefeita de Camaçari, município da Grande Salvador, em 2020. Gika Lopes afirmou que disputará a prefeitura de Serrinha, a 173 quilômetros da capital baiana. A desistência dele em se candidatar na eleição deste ano deveu-se, segundo ele, principalmente ao fato de que o atual prefeito de Serrinha e seu aliado político, Osnir Cardoso (PT), disputará um cargo no Legislativo estadual como candidato prioritário de seu partido. Além disso, afirmou o deputado, a "necessidade de se dedicar aos negócios" também pesou.

Crítica do sistema político e autora de projeto que propõe limitar a reeleição a dois mandatos, Luiza Maia também afirmou que a decisão de não concorrer já estava tomada antes de ser convidada para assumir secretaria. "É preciso sair da zona de conforto, porque a política não é carreira. Essa reeleição sem limite é um desserviço."

Renovações

De acordo com o deputado Ângelo Coronel, presidente da Assembleia Legislativa da Bahia e pré-candidato ao Senado, a expectativa é que, em 2018, a renovação do parlamento estadual fique entre 20% e 30%, média à de anos anteriores.

Nas eleições de 2014, 21 das 63 cadeiras foram ocupadas por novos membros - percentual de 33% de renovação. Em 2010, esse índice foi de 49%. "Não acho que haverá baixa renovação este ano, necessariamente, porque tentar reeleição não significa conseguir ser eleito. Acredito que devemos ter até 20 deputados novos", afirmou Coronel, que é deputado estadual há seis mandatos e já foi prefeito de Coração de Maria.

Ex-prefeito de Ipirá na década de 1970, o deputado Jurandy Oliveira (PRP) é o mais antigo deputado na Assembleia baiana. No novo mandato consecutivo, está desde 1983 no parlamento estadual e já passou por uma miríade de partidos: da Arena ao nanico PRP. Aos 81 anos, ele tentará se se reeleger deputado outra vez este ano. "Se o povo quiser e Deus ajudar, vou para o décimo mandato", afirmou, defendendo que "além de renovação, experiência e credibilidade também são muito importantes".

Líder do governo na Assembleia, o deputado Zé Neto (PT) afirma que a falta de renovação da política se deve às novas regras eleitorais, que diminuíram, na opinião dele, a chance de desconhecidos serem eleitos. "A sociedade quer renovar, mas a política está dizendo que não entra ninguém. O dinheiro está na mão de quem tem mandato", afirmou o petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.