Infográfico
Infográfico

10,7 mil brasileiros vão votar em cédulas de papel no exterior nas eleições 2018

Nos últimos quatro anos, o número de brasileiros habilitados a votar no exterior aumentou 41,37%, saltando de 354.184 para 500.727

Dida Sampaio e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2018 | 21h09

BRASÍLIA - Os brasileiros que moram em Ancara (Turquia), Bucareste (Romênia), Cairo (Egito), Kiev (Ucrânia), Mendoza (Argentina) e Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) e estão habilitados para votar poderão ter a experiência nostálgica de escolher o seu candidato à Presidência da República nas eleições 2018 à mão, usando cédulas em papel. Eles fazem parte de um universo de 10.698 eleitores de um total de 500.727 pessoas (aptas a votar no exterior) que participarão do pleito usando não as urnas eletrônicas, e sim as de lona.

Nos últimos quatro anos, o número de brasileiros habilitados a votar no exterior aumentou 41,37%, saltando de 354.184 para 500.727. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atribui o salto à cooperação entre o Ministério das Relações Exteriores e a Justiça Eleitoral para o cadastro de brasileiros residentes mundo afora. Quem vota no exterior escolhe apenas o candidato ao Palácio do Planalto.

A votação manual ocorrerá em seções eleitorais com pequeno número de eleitores, espalhadas por 54 países – de Angola e Argentina ao Vietnã e Zâmbia – de três continentes – América, África e Ásia -, informou o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF). 

A logística da votação no exterior é responsabilidade do TRE-DF, que atua ao lado do Itamaraty. As votações ocorrem geralmente em embaixadas, consultados e representações diplomáticas.

Um dos objetivos da urna de lona é garantir a realização da votação em locais que enfrentam problemas de energia eletrônica. De acordo com o TRE-DF, há companhias aéreas internacionais que, por questão de segurança, vedam o embarque das baterias que carregam as urnas eletrônicas.

Lacração

Nesta quarta-feira, 19, o TRE-DF realizou a cerimônia de carga e lacração das urnas que serão utilizadas para votação no exterior. Ao todo, serão enviadas 744 urnas (680 eletrônicas e 64 de papel) para 99 países. São necessários ao menos 30 eleitores cadastrados para que a urna seja enviada a uma determinada localidade no exterior.

Segundo o TRE-DF, foram feitas solicitações para 40 cidades que acabaram recusadas por não atingir o mínimo de eleitores exigido. No caso de Damasco, na Síria, não será enviada urna devido aos conflitos na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.