Timing é (quase) tudo

Jose Roberto de Toledo

26 Fevereiro 2010 | 19h32

Marina Silva (PV) esteve em grande evidência nesta sexta. Deu entrevista para a RedeTV!, para a rádio CBN, para vários jornais e até ao Programa do Ratinho. Suas declarações foram amplamente repetidas na internet, repercutidas, retuitadas, multiplicadas. Se houvesse uma pesquisa de intenção de voto em campo, esse tipo de exposição aos meios eletrônicos poderia ter um efeito marginal no resultado, pois o nome da presidenciável verde estaria fresco na memória de muitos eleitores.

A rigor, havia. O Datafolha foi a campo nestas quinta e sexta-feiras. Mas, se houve efeito pró-Marina, ele deve ter sido residual. A maior parte das entrevistas costuma ser feita no primeiro dia de pesquisa, e o restante, na manhã do segundo dia. O pico da repercussão das declarações da presidenciável do PV ocorreu no final da manhã e começo da tarde de sexta.

Tudo indica que a coincidência de datas de pesquisa e entrevistas foi acidental. As entrevistas foram marcadas antes da divulgação de que a pesquisa seria feita (via site do TSE). Sempre haverá alguém levantando uma teoria da conspiração, assim como sempre haverá um evento interferindo na pesquisa.

Se o levantamento mais recente do Ibope tivesse sido feito uma semana depois, Ciro Gomes talvez tivesse tido um resultado melhor porque teria a seu favor a atuação no programa do PSB no horário político da TV. A pesquisa Datafolha deve captar o efeito (se houver) da aclamação de Dilma Rousseff como candidata a presidente durante o congresso do PT. Isso é do jogo e é inevitável.

Nem toda interferência é casual, porém. Já houve casos de candidatos que montaram forças-tarefa de cabos-eleitorais para tentar influenciar pesquisas feitas em pontos de fluxo. Eles circularam próximo aos pesquisadores para inflar o resultado de seus patrões. Os institutos têm meios de detectar essa artimanha, comparando com resultados históricos e checando parte da amostra. Mas como é melhor prevenir, o Datafolha só informa ao TSE as cidades onde a pesquisa é feita depois de o campo ter sido concluído…

Mais conteúdo sobre:

2010datafolhaeleiçãopesquisa