Pesquisa Datafolha ajuda mulheres e atrapalha homens

Jose Roberto de Toledo

10 de agosto de 2013 | 18h51

A nova rodada do Datafolha sobre a eleição presidencial é um refresco para Dilma Rousseff (PT), um presente para Marina Silva (em busca de um partido) e um tiro no pé do PSDB.

A presidente mostrou resistência e resiliência. Bateu no fundo do poço e, quase tão rapidamente quanto caiu, começou a se recuperar. Ainda está muito longe dos patamares de aprovação e favoritismo que tinha antes dos protestos de junho, mas pelo menos está no rumo certo. Sua sorte está atrelada à economia.

Para Dilma, o único ponto negativo do Datafolha é a sinalização de que se o candidato do PT fosse Luiz Inácio Lula da Silva, aumentariam muito as chances de vitória, até no primeiro turno.

Marina Silva é a única entre todos os candidatos que sube sem parar. Foi a grande beneficiada pela onda de manifestações, por seu discurso contra a política tradicional. O crescimento vai atrair mais apoios e pode ajudá-la a viabilizar seu novo partido.

Marina se consolidou no segundo lugar, abriu vantagem sobre quem vem atrás e, se a eleição fosse hoje e o candidato petista fosse Dilma, as duas se enfrentariam no segundo turno. Se eleita, Marina teria sérios problemas para governar sem uma base parlamentar, mas isso é outro problema.

A pesquisa é inoportuna para o PSDB por três motivos: 1) a queda do candidato do partido, Aécio Neves, o deixa mais perto do quarto colocado do que do segundo; 2) alimenta o noticiário negativo sobre o partido provocado pelo escândalo sobre trilhos; 3) mostra que se José Serra sair do PSDB e se candidatar por outra legenda, tiraria votos e as chances de Aécio.

O Datafolha dá pistas sobre os dois azarões. Joaquim Barbosa parece ter batido no teto. Soma pontos para a oposição, mas não é o nome preferido dos eleitores anti-política. Esse espaço está cada vez mais ocupado por Marina. Já o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), tem chances, mas depende do cenário. Com Barbosa, Serra e/ou Lula no páreo, sua vida se complica muito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.