Mais médicos e menos funcionários, o dilema de Dilma