Ibope: Doria passa Russomanno; e Haddad encosta em Marta

Jose Roberto de Toledo

26 de setembro de 2016 | 20h23

Jose Roberto de Toledo
Daniel Bramatti

Na eleição paulistana, João Doria (PSDB) passou Celso Russomanno (PRB) no Ibope e abriu quatro pontos de vantagem. Embora a diferença esteja dentro da margem de erro (três pontos para cada um deles), o tucano está em ascensão, e o rival está em queda. Na disputa pelo terceiro lugar, Fernando Haddad (PT) diminuiu de dez para três pontos sua desvantagem em relação a Marta Suplicy (PMDB), e está agora tecnicamente empatado com a ex-prefeita.

Segundo a terceira pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo sobre a eleição de prefeito de São Paulo, Doria cresceu de 17% para 28% em 12 dias, enquanto Russomanno caiu de 30% para 24%. Ao mesmo tempo, Haddad cresceu de 9% para 12%, e Marta caiu de 20% para 15%. Luiza Erundina (PSOL) oscilou de 5% para 4%.

Os outros candidatos somam 3% das intenções de voto: Major Olímpio (SD), João Bico (PSDC) e Levy Fidelix (PRTB) têm 1% cada, enquanto Henrique Areas (PCO) e Ricardo Young (Rede) foram citados mas não chegaram a 1%. Altino (PSTU) não foi citado. Os eleitores que pretendem anular ou votar em branco caíram de 13% para 10%. Além disso, 4% dos eleitores não souberam responder.

Na disputa pela liderança da corrida paulistana, a maior troca de intenções de voto ocorreu na região do centro expandido, onde vivem e votam os comparativamente mais ricos. É uma região tradicionalmente contrária ao PT e que corresponde a 45% do total do eleitorado da cidade. Nessa área antipetista, Russomanno perdeu 15 pontos, e Doria ganhou 13 pontos. O tucano tem 39% desses eleitores, contra apenas 20% do rival direto.

Na disputa pelo terceiro lugar, os principais movimentos ocorreram nas regiões periféricas e pobres de São Paulo que costumam votar majoritariamente em candidatos petistas. Ali, onde estão 47% dos paulistanos, Marta perdeu 14 pontos, e Haddad ganhou 3. A ex-prefeita ainda tem mais eleitores que o atual prefeito na área pró-PT, 21% a 13%. Porém, ambos perdem para Russomanno, que viu escapar 8 pontos, mas ainda tem 27% ali.

A menos de uma semana do primeiro turno, 39% dos eleitores dizem que precisam se informar mais para decidir em quem vão votar. A incerteza está acima da média na região pró-PT (42%) e entre quem tem intenção de votar em Marta (50%) e em Russomanno (40%).

Doria é o candidato com mais chances de ir ao segundo turno não apenas por estar na frente, mas por sua rápida ascensão (ganhou 19 pontos em um mês) e baixa rejeição (17%, a menor entre os favoritos). Seu crescimento se deve ao fato de ele ter se consolidado como o mais identificado com a mudança em uma eleição na qual dois terços do eleitorado quer que o próximo prefeito mude tudo (28%) ou muita coisa (38%) na prefeitura.

O Ibope perguntou qual candidato a prefeito mais representa “mudança”. O mais citado foi Doria, mencionado por 35% dos eleitores, seguido de Russomanno, por 27%, e Marta, por 14%. O tucano também é o mais lembrado na resposta sobre qual candidato tem ideias novas para resolver os problemas da cidade: 37% citaram Doria; 25% falaram Russomanno; 13%, Marta; 9%, Haddad.

A segunda vaga, que parecia estar entre Russomanno e Marta, agora também se abre para Haddad. Tudo vai depender da velocidade da queda do candidato do PRB nos próximos dias e da disputa pelo eleitorado petista e ex-petista entre os três.

O Ibope entrevistou 1.204 eleitores face a face entre 23 e 25 de setembro. A margem de erro máxima para o total da amostra é de três pontos percentuais, para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%. A pesquisa foi contratada pela Globo Comunicação e Participações S/A e pela S/A O Estado de S.Paulo. A pesquisa foi registrada no TRE-SP sob o protocolo 04281/2016.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: