Huck, Lula e o dono do pudim

Huck, Lula e o dono do pudim

Jose Roberto de Toledo

23 de outubro de 2017 | 00h01

Não deixa de ser astuto: incapaz de prender quem organiza o crime, promove quem já está preso a chefe da organização. De quebra, desestimula o preso a delatar porque “o cabeça” não pode ser premiado. Não é original, mas funciona. Policiais fazem com narcotraficantes; governos, com terroristas. Se já prendeu o chefe, para que continuar investigando? Esquece-se a rede e projeta-se um PowerPoint com setas apontadas para um nome só.

Quem merece comemorar a notícia, com uma dose extra de pudim, é o resto da turma, que continuará desfrutando a iguaria. Só reclamou quem não é mais convidado para sentar à mesa da confraria. “Engraçado… Nunca soube que Geddel era o Chefe. Para mim, o chefe dele era ouTro (sic)”, tuitou um ex-confrade, após a Procuradoria da República inflar Geddel Vieira Lima.

Renan Calheiros tuíta com conhecimento de causa. Por 25 anos, fez parte da Turma do Pudim, o conselho informal que administrava interesses do PMDB junto a governos – de Itamar a Dilma, de FHC a Lula. Era mesa sem cabeceira, onde todos dividiriam a conta, se ela não fosse paga por você. Hoje, os integrantes da turma que não foram para a cadeia estão no Planalto ou no Senado. E, tudo indica, lá deverão continuar.

Mas e as ordens de pagamento para “Fodão” encontradas pela Lava Jato nas planilhas da Odebrecht? E os R$ 500 mil do deputado carregador de malas? E o porto de Santos? O Congresso cuida dos seus, com as bênçãos do ex-Supremo.

Assim, o mercado financeiro não para de exibir sua exuberância irracional. Com a experiência dos millennials, seus jovens operadores se aconselham sobre política com o MBL e concluem que a única preocupação à vista é com o que pode acontecer em 2018. Cacifaram Doria como o antiLula e relutam em liquidar suas perdas mesmo quando confrontados com as pesquisas.

Os que não nasceram ontem já pularam da canoa. Uns sonham com Luciano Huck, outros começam a achar que Bolsonaro não é tão ruim como pintam. Esse será o próximo confronto nas redes.

Enquanto o prefeito paulistano era questionado na imprensa, sua base virtual era corroída por ataques ferozes dos seguidores de Bolsonaro nas mídias sociais. A guerra em duas frentes liquefez a capacidade de Doria aumentar o buzz em torno de seu nome na internet. Seus vídeos perderam compartilhamentos, os likes rarearam. A “Globo no Facebook” que lhe prometeram não vingou.

A próxima batalha dos “bolsominions” será contra quem vier a ocupar o vazio deixado por Doria. Para não entrar na mira, Huck não se assumirá presidenciável antes de abril. Nem precisa. O apresentador já entra todo sábado na casa dos mais pobres e, segundo as pesquisas, é muito bem recebido. Recall não lhe falta; eleitores, sim.

Para transformar seu reconhecimento em intenção de voto, Huck precisará ser levado a sério como candidato a presidente. A credibilidade de que necessita não virá do partido que ele escolher como meio de transporte. PPS ou DEM são hospedeiros para ele continuar com direito a aparecer na TV após abril.

Faz sentido, portanto, Huck se filiar a um dos tantos movimentos de renovação política, como fez com o “Agora!”. Cercar-se de jovens com PhD dedicados à causa pública é tão bom para sua imagem quanto é, potencialmente, para o movimento pegar carona na popularidade do apresentador. Se a tabelinha der resultado, Huck ajudará a eleger alguns novos parceiros para o Congresso.

É um bom plano. Falta combinar com Lula. Como disputam o mesmo eleitor, enquanto o petista for candidato ele tamponará Huck. Se Lula ainda for presidenciável em abril, Huck terá que dar um salto mortal carpado no escuro para entrar na disputa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.