Dilma tem maior votação onde renda familiar cresceu mais

Jose Roberto de Toledo

25 de junho de 2010 | 00h11

(texto publicado na edição impressa do Estado)

Ao mesmo tempo que o Ibope divulgava pesquisa dando vantagem a Dilma Rousseff (PT) na sucessão presidencial, o IBGE dava à luz uma das suas sondagens mais importantes: a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF). Os resultados de ambos os levantamentos estão diretamente conectados.

Entre os biênios 2002/2003 e 2008/2009, a renda familiar per capita dos brasileiros subiu, em média, 22% -como ressaltou o economista Marcelo Neri em artigo publicado ontem no Estado.

Ou seja, a POF mostra que durante o governo Lula houve uma melhora significativa no poder de compra das famílias, seja porque sua renda cresceu (11%, em média), seja porque o tamanho das famílias diminuiu. Na prática, há mais pão para dividir por menos gente.

Ainda segundo a POF, a renda dos 10% mais pobres subiu três vezes mais do que a renda dos 10% mais ricos. Essa diminuição da desigualdade tem impactos regionais diferenciados.

Onde a renda sumiu mais (19% no Norte, 17% no Nordeste e 14% no Centro-Oeste) é onde Dilma também abre vantagem sobre José Serra (PSDB) no Ibope: entre 6 e 17 pontos percentuais.

Embora a POF revele também todas as iniquidades e carências da economia brasileira, inclusive a insuficiência de comida na mesa de mais de um terço das famílias, o movimento geral foi de melhora.

Quando isso acontece, mesmo quem não superou a miséria mira-se no vizinho bem-sucedido e tem esperança de que pode ter o mesmo destino. Esse é o quadro de fundo da sucessão presidencial.

Tudo o que sabemos sobre:

2010consumoDilmaeleiçãoibopepesquisa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: