Bolso prevalece sobre aborto, internet e o papa

Jose Roberto de Toledo

30 de outubro de 2010 | 20h28

Campanha difamatória pela internet, denúncias de corrupção, ataques físicos e até o uso do papa como cabo eleitoral. Houve de tudo no segundo turno da eleição presidencial. Mas, no fim, o que prevalece é mesmo o bolso do eleitor e seu desejo de continuar consumindo.

As pesquisas de véspera da eleição, a começar pela do Ibope, confirmam a tendência identificada ao longo das duas últimas semanas: Dilma Rousseff (PT) deve ser eleita com 10 a 15 milhões de votos de vantagem sobre José Serra (PSDB).

A razão por trás disso? A boa avaliação do governo Lula e a identificação da candidata petista como uma espécie de extensão do mandato do atual presidente. Esse foi o motor de toda a eleição, embora nem sempre tenha sido o foco do noticiário sobre a campanha.

As pesquisas do Ibope mostram que quase metade dos eleitores dão nota 9 ou 10 à atual administração federal. É um recorde que se explica pela expansão geométrica do consumo que fez algumas dezenas de milhões de brasileiros ascenderem para a classe C.

Após muito repetir o nome de Dilma, Lula conseguiu clonar sua imagem na candidata. Dilma transformou 4 de cada 5 fãs do presidente em seus eleitores: ela tem 79% dos votos entre quem acha o governo Lula “ótimo”.

O fator religioso, responsável por levar a eleição ao segundo turno, foi neutralizado nesta reta final. Com o tema do aborto interditado para ambos os candidatos, boa parte dos eleitores religiosos que haviam abandonado a candidatura de Dilma voltaram a declarar voto nela.

A petista chega à eleição com 55% de apoio entre os católicos, contra 39% do adversário. Nem a pregação do papa Bento 16 contra candidatos que defendem o aborto, usada pela campanha de Serra no rádio, fez cair a intenção de voto de Dilma entre os fiéis da Igreja.

As oscilações dos candidatos nas pesquisas de intenção de voto está correlacionada com as buscas mais populares sobre os candidatos no Google. Nas últimas duas semanas, diminuiu a procura por temas negativos associados ao nome de Dilma, como “terrorista” e “aborto”.

Ao mesmo tempo, aumentou a busca por termos ruins para Serra, como “aborto” e “bolinha de papel”. Ou seja, a campanha difamatória de lado a lado através da internet se equilibrou. Quando os fatores acessórios se equalizam, o bolso fala mais alto.

Tudo o que sabemos sobre:

2010DilmaeleiçãoibopepesquisaSerra

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.