Assassinato de sucessor de Chico Mendes mostra que Brasil mudou menos do que parece em 23 anos