Antever 2014 agora é só para quem tem bola de cristal

Jose Roberto de Toledo

01 de julho de 2013 | 14h01

Se a crise de popularidade em curso ensinou algo, é que a velocidade de mudança da opinião pública ficou exponencial. Reversões que levavam meses, agora demoram dias para acontecer. Isso torna toda eleição mais imprevisível do que já era.

Para agravar, a piora da imagem dos governantes em geral – presidente, governadores e prefeitos – quebrou todas as curvas de tendência existentes. Todas as projeções foram para o ralo. E nada indica que a avalanche que arrastou reputações montanha abaixo já tenha chegado ao fim.

Isso significa que antever o que acontecerá em 2014 tornou-se um exercício de pura prestidigitação. Nem Nate Silver – blogueiro do New York Times que acertou tudo sobre as eleições de 2012 nos EUA – arriscaria um palpite. Só videntes, cartomantes ou pitonisas.

Tudo o que sabemos sobre:

2014eleiçãoopinião púbicapesquisa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: