STF não deve acatar pedido de prisão de Aécio

Vera Magalhães

20 de junho de 2017 | 08h15

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal não deve acolher nesta terça-feira o pedido, reiterado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de prisão preventiva do senador Aécio Neves, denunciado na Lava Jato.

A maioria do colegiado deverá se posicionar contra a necessidade de prisão cautelar de Aécio, uma vez que, em seu caso, não se caracterizou flagrante delito. Além disso, reservadamente integrantes da corte fazem críticas ao pedido feito por Janot, considerado inconsistente tecnicamente.

Ainda assim, a tendência da Primeira Turma é manter o afastamento de Aécio de seu mandato no Senado. A defesa do tucano pediu a suspensão da sanção.

O pedido de prisão de Aécio foi feito logo na deflagração da operação Patmos, mas foi negado pelo então relator do caso, ministro Edson Fachin. O inquérito contra o senador e outros investigados foi redistribuído, e Marco Aurélio Mello é o novo relator. Ele próprio deverá dar um voto contra o pedido de prisão de Aécio.

A turma deverá discutir, ainda, pedidos dos demais agora réus na ação — a denúncia já foi recebida. A tendência, neste caso, é confirmar o entendimento da semana passada e manter presos Andrea Neves, irmã de Aécio, Frederico Pacheco, primo de ambos, e Mendherson Souza, assessor do senador Zezé Perrela.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.