Senado participou da articulação de anistia a caixa 2

Vera Magalhães

20 de setembro de 2016 | 08h10

A manobra urdida nos bastidores para votar a toque de caixa a anistia para quem tiver cometido caixa 2, juntamente com um projeto que estabeleceria nova tipificação para o crime, foi feita em conjunto entre Câmara e Senado.

Mantida em sigilo até chegar ao plenário da Câmara, a articulação contava com aval de caciques de PMDB e PSDB no Senado, e deveria ser votada com a mesma celeridade na Casa, ainda nesta semana, se passasse na Câmara.

Com a reação negativa à manobra, seus mentores começaram a negar participação nas conversas para sua execução. Um dos que encabeçaram o processo, segundo deputados de vários partidos dizem reservadamente, foi o ex-líder do PSDB Carlos Sampaio (SP), que é membro do Ministério Público e sempre teve papel ativo em CPIs.

Ele negou ter participado da articulação, mas seu nome é apontado por deputados de seu próprio partido como o grande idealizador do passo a passo da votação, usando um texto de 2007 do ex-deputado Regis de Oliveira como base e as 10 Medidas de Combate à Corrupção do Ministério Público para tentar justificar a necessidade de votar isso agora.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: