PGR não fez perícia em áudio da conversa Temer-Joesley

Vera Magalhães

20 de maio de 2017 | 14h38

Procuradores que participaram das negociações da delação premiada de Joesley Batista e dos demais colaboradores do grupo JBS informaram neste sábado à Broadcast, em caráter reservado, que a gravação da conversa entre Joesley Batista e Michel Temer no Palácio do Jaburu em março deste ano não foi periciada antes de ser usada como uma das provas para o pedido de abertura de inquérito contra o presidente.
Perícia realizada nos arquivos de audio a pedido do jornal “Folha de S.Paulo” apontou indícios de edição na conversa.
Procuradores dizem que a perícia pode ser feita a pedido do relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin. Segundo eles, a conversa foi analisada pela PGR, mas não foi periciada.
Eles sustentam que, ainda que a gravação seja desconsiderada como prova, ela não invalida o restante da Operação Patmos, fase da Lava Jato que concerne à delação da JBS, e nem as provas colhidas posteriormente no acordo de delação e nas ações controladas realizadas.
“Não se pode dizer que a sequência fática de crimes, com flagrantes de entrega de dinheiro, simplesmente não existiu”, diz um procurador do GT de Janot.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.