Mario Covas Neto sai na frente para presidir Câmara

Vera Magalhães

04 de outubro de 2016 | 08h15

Encerradas as eleições em São Paulo, o nome que desponta no PSDB para presidir a Câmara municipal da capital é o do vereador reeleito Mario Covas Neto — que conta com o apoio discreto do prefeito eleito, João Doria Jr.

Doria não vai se manifestar publicamente sobre esse assunto por ora. Deve deixar para interferir mais abertamente na escolha do comando do Legislativo — algo vital para o prefeito, ainda mais no início do mandato– a partir de novembro.

De acordo com aliados do prefeito eleito, ele não quer que eventuais disputas internas no partido ou na base comecem a causar ruídos na transição, que já deve se iniciar nesta semana.

Covas Neto foi o mais votado do PSDB, com 75.593 votos, mas apenas o quarto da coligação. Ele preside o PSDB municipal e, no início do processo de prévias, era aliado de Andrea Matarazzo, que acabou deixando o PSDB depois de perder a disputa interna.

Milton Leite (DEM), veterano da Casa e segundo mais votado de todos os 55, quer presidir a Casa e deve haver disputa.

Na segunda-feira, Doria reuniu a equipe que deve atuar na transição para analisar a lei municipal que regula o processo de transferência de informações entre a administração e a equipe do eleito. Ele prometeu designar todo o secretariado até 30 de novembro. Alguns nomes tidos como certos no secretariado são o de Julio Semeghini, que deve coordenar a transição, e o vice Bruno Covas, que deve ter também uma função executiva.

Doria gostaria de contar com empresários no primeiro escalão, mas a dificuldade para viabilizar isso são os baixos salários na administração municipal.