Governo ameaça punir rebeldes

Vera Magalhães

11 de outubro de 2016 | 10h00

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta manhã que o governo pode punir os deputados da base que votaram contra ou se ausentaram da sessão que discutiu a PEC que fixa o teto de gastos do governo federal.

Apesar da vitória por maioria dilatada de 366 votos, o governo vai analisar o comportamento das bancadas e dos deputados individualmente e cotejar os votos com os espaços que os partidos têm no governo — inclusive as indicações dos deputados rebeldes.

Segundo Padilha, não seria justo com os 366 deputados que se “expuseram” a críticas do PT de que estariam cortando programas sociais que os que votaram contra tenham “o mesmo tratamento”.

O titular da Casa Civil lembrou que o momento do país exige medidas extremas, e cobrou responsabilidade da base aliada.

O maior foco de irritação é com o PSB, que controla o Ministério de Minas e Energia e deu 10 votos contra a proposta do teto. A maioria deles veio de Pernambuco, estado governado pelo partido e base política do ministro Fernando Bezerra Coelho Filho.