Em jantar com tucanos, Alckmin diz que é candidato e descarta Doria

Vera Magalhães

31 de agosto de 2017 | 15h39

Num jantar promovido na segunda-feira pelo prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, o governador Geraldo Alckmin disse abertamente que será candidato a presidente pelo PSDB em 2018 e falou pela primeira vez diretamente sobre os inconvenientes de uma postulação do prefeito João Doria Jr, seu afilhado político.

“Sou candidato. Estou trabalhando para a construção desta candidatura”, afirmou, sem rodeios.

Num tom que pareceu aos presentes surpreendente para o sempre brando Alckmin, o governador afirmou que tem feito os mesmos movimentos de Doria de percorrer o Brasil, mas “sem tanto auê” e “sem holofotes”.

Descreveu encontros com prefeitos, governadores e políticos de vários partidos. Afirmou que, nas visitas, tem mostrado como São Paulo superou a grave crise hídrica de 2012.

Alckmin fez uma longa explanação sobre por que avalia que tem o perfil ideal para 2018. No entender do tucano, o eleitorado vai procurar “um pacificador” e “tranquilidade”. “Isso é com quem tem mais experiência”, concluiu.

Citou São Francisco de Assis ao dizer que deve-se começar fazendo o necessário, para depois se concentrar no possível e, logo em seguida, se estará fazendo o impossível.

O tucano disse que PSB, DEM e PTB já estão fechados com seu projeto presidencial. “Esses já estão comigo”, assegurou. E apontou uma articulação entre PMDB e PSD para lançar o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

O padrinho descartou uma candidatura de Doria. “Renunciar no primeiro ano de mandato é muito difícil”, vaticinou, após citar o prefeito nominalmente. Passou, então, a comparar a situação de Doria à de políticos que abandonaram mandatos para os quais haviam sido recém-eleitos e colheram reveses futuros. Além da situação de José Serra na prefeitura de São Paulo, ele citou outros casos de políticos que se deram mal ao fazer essa opção.

A fala foi vista como um “banho de água fria” no anfitrião, que sonha concorrer ao governo do Estado no ano que vem, apesar de estar no primeiro ano à frente da prefeitura de São Bernardo. Nesse quesito, aliás, Alckmin também surpreendeu pelo tom direto. Fez elogios ao vice, Marcio França (PSB), mas reconheceu que dificilmente o PSDB abrirá mão de ter candidato. Como bons nomes para a vaga citou o secretário de Saúde, David Uip, e o empresário Luiz Felipe D’Ávila.

Estavam presentes ao jantar prefeitos do ABC paulista. Além de Morando, participaram os também tucanos Paulo Serra (Santo André), José Auricchio (São Caetano) e Gabriel Maranhão (Rio Grande da Serra), e dois representantes do PSB, Atila Jacomussi (Mauá), e Kiko Teixeira (Ribeirão Pires). O “estrangeiro” foi o prefeito Paulo Barbosa, de Santos, que ficou encarregado de comandar um grupo de prefeitos que vão ajudar no plano de governo de Alckmin. Acompanhavam ainda a comitiva o secretário da Casa Civil, Samuel Moreira, e o presidente estadual do PSDB, Pedro Tobias.

Alckmin se movimenta para angariar apoio dos jovens prefeitos tucanos, até aqui bem próximos de Doria. Alguns deles saíram de lá seguros de que o governador está na frente do prefeito na consertação partidária da candidatura. “Surpreendentemente ele foi muito firme”, afirmou um dos presentes.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.