CNJ vai discutir massacre, diz Cármen Lúcia

Vera Magalhães

03 de janeiro de 2017 | 08h11

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), reunirá na tarde desta terça-feira em Brasília o corpo técnico do órgão de controle externo do Judiciário para tratar do massacre no complexo penitenciário Anisio Jobim, em Manaus (AM), que levou à morte de 60 presos.

Cármen Lúcia disse nesta manhã ao Broadcast que o CNJ já havia inspecionado esse presídio em outubro e que “os juízes já haviam alertado para a questão das facções”. 

A reunião será para discutir se há algo que o CNJ possa fazer para atuar nas investigações ou para ajudar a combater o problema em Manaus.

“Nas reivindicações dos presos não há qualquer item sobre processos ou atuação judicial, apenas quanto a condições dos presos”, lembrou.

Ainda assim, ela disse que o órgão vai verificar se há algo que seja de sua atribuição e “ajudar rapidamente”.

Tendências: