Análise: Os “sobreviventes” para 2018

Vera Magalhães

12 de abril de 2017 | 12h43

A divulgação da lista dos que serão investigados a partir das delações da Odebrecht abriu automaticamente o debate: quem vai sobrar para ser candidato a presidente em 2018?

Nenhum partido com chances reais de chegar ao Planalto escapou ileso às acusações de terem se beneficiado de recursos ilegais repassados pela empreiteira em troca de contratos e projetos de lei que atendessem aos interesses da empresa.

Além disso, alguns dos principais presidenciáveis foram pessoalmente atingidos.

No PSDB, saem chamuscados Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra. Ainda que, ao fim das investigações, não fique provado que praticaram os crimes que lhes são imputados, dificilmente até 2018 estarão livres das acusações.

Entre os tucanos, portanto, se sobressai o nome de João Doria Jr. O prefeito de São Paulo, já incluído em pesquisas, imediatamente após a divulgação da lista deu declarações de que ela atinge a “classe política”. É proposital: seu principal discurso em 2016 foi o de que não é político, e sim gestor.

Dois nomes de destaque do DEM também não figuram na lista do Fachin: o prefeito de Salvador, ACM Neto, e o líder do partido no Senado, Ronaldo Caiado (GO), não serão indiciados. Ambos são citados como opções presidenciais de um partido que historicamente tem atuado como “sublegenda” do PSDB.

Com os tucanos no estaleiro, o DEM pode se animar com o fato de dois dos seus terem escapado — embora o partido também apareça mal na fita, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e vários outros parlamentares citados pelos delatores.

O deputado Jair Bolsonaro, que tem um séquito crescente de defensores na extrema-direita, também vai se regozijar por não estar na lista. Seus seguidores já estão martelando esse discurso nas redes sociais.

Entre os políticos das “antigas” escaparam Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) — ele foi mencionado na lista de apelidos da empreiteira, mas não está no rol dos que serão investigados agora.

E o PT? O partido insiste na candidatura do ex-presidente Lula como único cenário. Mas Lula, que já é réu em cinco ações que correm em ritmo mais acelerado que as investigações contra os políticos com foro, leva tiros de todos os lados na delação da Odebrecht. As acusações remetidas a Curitiba devem não só corroborar as ações já em curso quanto embasar novos pedidos de investigação.

No PT e no PMDB não se salva nenhum nome viável para 2018. Nem Fernando Haddad escapará imediatamente de ser investigado por doações da Odebrecht a sua campanha em 2012.

O partido de Michel Temer sai corroído de cabo a rabo. Cabe ao presidente torcer para concluir o mandato aos trancos e barrancos, e à legenda repetir o que vem fazendo em eleições desde 1998: ceder seu gordo tempo de TV a alguma aliança e esconder do eleitor a cara indigesta de seus caciques.

* Análise originalmente produzida para o Broadcast Político. 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: