Propaganda do governo compara gasto público ao doméstico

Vera Magalhães

06 de outubro de 2016 | 08h10

Na propaganda que fará para tentar obter o apoio da sociedade para o ajuste fiscal, o governo Michel Temer vai investir numa comparação que era cara ao governo Lula: a das contas públicas com o orçamento doméstico.

Para traduzir a proposta de emenda constitucional que estabelece um teto para os gastos da União pelos próximos 20 anos, o governo usará a expressão responsabilidade com o dinheiro público.

Dirá que quem já viveu na sua casa a situação de descontrole de gastos sabe que ele leva ao “desespero”. E que, no caso das contas públicas, esse descontrole leva à paralisação de serviços à população, como saúde e educação.

A propaganda dirá que o dinheiro público não é ilimitado e que “cada centavo que o governo gasta é do cidadão”.

A propaganda é apenas uma das frentes do governo para o esforço concentrado de aprovação da PEC. A estratégia de comunicação inclui ainda uma fala em rede nacional na noite desta quinta-feira do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que vai reforçar esse discurso da necessidade do corte de gastos.

Na outra esfera, o governo faz o monitoramento diário da Câmara, que deve votar a proposta em primeiro turno na segunda-feira. Temer receberá os deputados para um jantar na noite de domingo no Palácio da Alvorada. Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Governo) farão um pente-fino partido a partido até segunda.