Romário pede ajuda à Comissão da Verdade no caso Marin
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Romário pede ajuda à Comissão da Verdade no caso Marin

Roldão Arruda

14 de março de 2013 | 19h15

O presidente da Comissão de Turismo e Desporto, deputado Romário (PSB-RJ) pediu ajuda à Comissão Nacional da Verdade para esclarecer as suspeitas de envolvimento do atual presidente da CBF, José Maria Marin, com a ditadura militar.

O pedido foi feito publicamente nesta quinta-feira, 14, durante discurso na Câmara. Romário também anunciou que vai realizar uma audiência pública para analisar o caso do jornalista Vladimir Herzog. Filiado ao Partido Comunista Brasileiro, ele trabalhava na TV Cultura e foi morto sob tortura, em 1975.

De acordo com as denúncias contra Marin, ele teria contribuído indiretamente para a morte do jornalista. Pesa contra ele um pronunciamento feito quando era deputado, pedindo às autoridades que esclarecessem denúncias de infiltração comunista na Cultura. Herzog foi preso poucos dias depois.

“As suspeitas sobre o presidente da CBF são graves e constrangedoras”, disse Romário. “Nós, atletas e ex-atletas, ficamos muito desconfortáveis com esse tipo de situação, num momento em que o Brasil se expõe ao mundo, ao se preparar para receber megaeventos esportivos”, continuou, referindo-se aos Jogos Olímpicos e à Copa do Mundo.

“Será que a CBF pode ser dirigida por alguém que pedia a repressão a uma emissora estatal de televisão, a TV Cultura, à qual estava vinculado Vladimir Herzog?”, perguntou.

O assunto desperta polêmicas. Um pouco antes, na Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado e presidente estadual do PTB, Campos Machado, havia tomado uma atitude em sentido oposto: encaminhou à Casa uma moção de apoio a Marin.

De acordo com Machado, está em curso uma “maquiavélica orquestração para denegrir a imagem, a honra, a história política e o passado de glórias do jogador de futebol, do vereador, do deputado estadual, do presidente da Federação Paulista de Futebol, do governador do Estado e agora presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin”.

Na quarta-feira, 13, Marin utilizou o site da CBF para rebater as suspeitas. Acabou atraindo mais atenção para a polêmica que o acompanha desde que assumiu a presidência da CBF, um ano atrás. 

No início da noite desta quinta, 14, a petição que circula na internet, pedindo seu afastamento da presidência da CBF, havia coletado 38.674 assinaturas. A meta é chegar à marca de 50 mil.

Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda

 

publicidade

publicidade

Tendências: