Para ministro, universidade brasileira produz muito paper, mas pouca patente
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para ministro, universidade brasileira produz muito paper, mas pouca patente

Roldão Arruda

09 de agosto de 2012 | 17h24

As pesquisas e estudos produzidos nas universidades brasileiras deveriam estar mais ligados à realidade do País e à sua enorme carência de inovações tecnológicas. Essa é a opinião do titular da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, o sociólogo Wellington Moreira Franco.

Em palestra proferida ontem, 8, em São Paulo, ele observou que a academia vai bem na produção de estudos científicos, teses, papers para publicações científicas. Mas é uma negação quando se trata de patentes tecnológicas. “O Brasil figura entre os países que mais publicam trabalhos científicos no mundo, mas, por outro lado, é um dos que menos registram patentes”.

A palestra ocorreu durante o 6.º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Estratégicos, organizado com o apoio da Unesp. Ao final, ao ser indagado se a observação poderia se vista como uma crítica à orientação científica das universidades, o ministro negou, mas insistiu na necessidade de mudança de rumos.

“Não é uma crítica à academia. A minha origem é acadêmica. Comecei como sociólogo, na Universidade Federal Fluminense”, afirmou. “O que eu quis dizer é que hoje no Brasil precisamos de inovação, de patentes. Precisamos aumentar a produtividade da nossa economia, pegar inovações já desenvolvidas e aprofundar o estudo sobre elas, avançar e patentear inovações em coisas boas. É para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Quando alguém registra uma patente, não está simplesmente gerando uma satisfação intelectual, está melhorando a produtividade, melhorando a renda dos trabalhadores, melhorando qualidade de vida e permitindo que os produtos saiam mais baratos.”

Para o ministro, a universidade tem que estar mais próxima da sociedade: “A academia tem que dedicar a sua alma para servir à sociedade. E servir à sociedade significa aumentar a capacidade de registrar patentes e estar mais presente na mesa, no dia, na tarde, na noite de cada um de nós. Queremos produtos feitos no Brasil, gerando renda no Brasil.”

Na mesma palestra, o ministro disse que o plano estratégico que implantou a indústria automobilística no Brasil foi bem sucedido, mas teve uma falha grave: “Hoje a nossa indústria é sexta montadora de automóveis do mundo, mas não temos um carro brasileiro.”

Moreira Franco, que é filiado ao PMDB, já foi prefeito de Niterói, governador do Rio e deputado federal. Participou dos governos dos presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Chegou à Secretaria de Assuntos Estratégicos por indicação do vice-presidente, Michel Temer, de quem é bastante próximo.

Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda

Nota do moderador: Comentários preconceituosos, racistas e homofóbicos, assim como manifestações de intolerância religiosa, xingamentos, ofensas entre leitores, contra o blogueiro e a publicação não serão reproduzidos. Não é permitido postar vídeos e links. Os textos devem ter relação com o tema do post. Não serão publicados textos escritos inteiramente em letras maiúsculas. Os comentários reproduzidos não refletem a linha editorial do blog

 

 

publicidade

publicidade