Encontro do papa com moradores de rua deveria inspirar autoridades de São Paulo, diz Pastoral de Rua
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Encontro do papa com moradores de rua deveria inspirar autoridades de São Paulo, diz Pastoral de Rua

Roldão Arruda

17 Dezembro 2013 | 20h43

Em São Paulo, o padre Julio Lancellotti ficou emocionado com a decisão do papa Francisco de comemorar o seu aniversário, nesta terça-feira, 17, ao lado de moradores de rua, convidados a se reunirem com ele no Vaticano.

Segundo o padre, que coordena a Pastoral de Rua da Arquidiocese de São Paulo e atua há 35 anos ao lado dessa população, trata-se um fato inédito na Igreja Católica. “Quem fazia isso era São Francisco. Quando ia a Roma para se encontrar com o papa, ele ficava entre os moradores de rua”, afirmou.

“O papa poderia ter convidado cientistas, intelectuais, políticos, cardeais, embaixadores, teólogos… Qualquer um desses grupos estaria disposto tomar café com o papa e comemorar o seu aniversário”, disse. “Mas ele preferiu se aproximar dos que mais sofrem. Foi um gesto humano, simbólico e que deveria servir de exemplo para todos nós. Esse papa é o líder da compaixão.”

Para o padre, o exemplo de Francisco deveria inspirar particularmente as autoridades de São Paulo: “O ato de receber um dos moradores com o seu cachorro foi um grande exemplo de disposição para a proximidade. Quando vi isso, lembrei que as pessoas que vivem em condição de rua na nossa cidade estão sendo muito maltratadas.”

O coordenador da pastoral fez críticas ao prefeito Fernando Haddad (PT), que estaria sucateando os serviços de atendimento a essa população. Também criticou o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que não teria conseguido ainda definir uma política adequada para os usuários de crack que vivem nas ruas.

“Eles não estão conseguindo achar o caminho”, afirmou. “Sei que é um grande desafio. Mas também sei que o primeiro passo, a primeira medida no rumo da superação do problema, é a aproximação, o diálogo.”

No Natal, o padre Júlio deve celebrar missa na Cracolândia, região central da cidade que reúne usuários de crack. Na ocasião também será montado um presépio vivo, com a participação de pessoas do local.

Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda