Ongs acusam Dilma de esquecer índios e favorecer ruralistas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ongs acusam Dilma de esquecer índios e favorecer ruralistas

Roldão Arruda

30 de maio de 2013 | 22h20

É cada vez maior a preocupação entre índios e ONGs com as atitudes da presidente Dilma Rousseff em relação à demarcação de terras indígenas. Um indicador disso são as quatro notas públicas sobre o tema divulgadas nesta semana. No curto espaço de quatro dias, o governo foi acusado quatro vezes de atropelar interesses indígenas para atender à bancada ruralista no Congresso. Em todas afirmou-se que a Constituição Federal está sendo desrespeitada.

A manifestação mais recente, divulgada nesta quinta-feira, 30, foi assinada pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Ao comentar a morte do índio Oziel Gabriel, durante uma reintegração de posse em Sidrolândia, no Mato Grosso do Sul, a instituição responsabilizou Dilma e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Segundo o Cimi, o governo federal deve ser responsabilizado porque a Polícia Federal, que comandou a ação de reintegração, só age sob ordens de Brasília. O texto também disse que a morte em Sidrolândia não é um fato isolado.

“A ação brutal comandada pela PF faz parte de uma estratégia mais ampla do governo federal para viabilizar demandas de ruralistas e de latifundiários do agronegócio”, observou o Cimi. “Com isso, de forma premeditada, o governo desrespeita os direitos dos povos indígenas, com sucessivas manifestações públicas de caráter anti-indígena.”

Na quarta-feira, 29, um dia antes do conflito em Mato Grosso do Sul, a Associação Brasileira de Organizações não Governamentais (Abong) havia divulgado outra nota manifestando preocupação com a demora nos processos de demarcação de terras indígenas. No mesmo diapasão do Cimi, dizia: “O governo federal atende, dessa forma, aos interesses expressos no Congresso Nacional, onde há uma campanha contra os direitos indígenas.”

No mesmo dia, no Rio Grande do Sul, o Conselho de Articulação do Povo Guarani divulgou nota acusando Dilma de manter “uma relação promíscua com ruralistas”. Essa relação, disseram os indígenas, atrasa a demarcação de suas terras.

Essas duas manifestações foram precedidas por um manifesto coletivo, divulgado no dia 27 e assinado por uma centena de antropólogos. Batendo na mesma tecla, o texto acusou o governo de desfigurar os processos de regularização das terras para atender interesses econômicos.

Leia a íntegra das notas clicando aqui: CimiAbongConselho de Articulaçãomanifesto coletivo de antropólogos

 Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda

publicidade

publicidade