As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Homossexualidade no futebol será tema de exposição durante a Copa do Mundo

Roldão Arruda

06 de novembro de 2013 | 09h26

Em 2014, durante a realização da Copa do Mundo, São Paulo vai abrigar uma exposição sobre homossexualidade no futebol. A informação foi divulgada na noite desta terça-feira, 5, durante um debate sobre o tema, no auditório do Museu do Futebol.

“Esse encontro é o embrião do que vamos fazer no ano que vem, durante a copa”, disse o mediador do debate, jornalista Cesar Giobbi. Ainda de acordo com suas informações, a exposição será montada pela Diversa, entidade que atua na área de educação inclusiva. O Museu da Diversidade, vinculado ao governo do Estado de São Paulo, participará do projeto, assim como o Museu do Futebol, que abrigará a a exposição.

“Ainda não sabemos como será”, afirmou Giobbi. “Estamos procurando um curador, que tenha um olhar especial sobre esse aspecto. O que a gente espera é que seja elucidativo e que traga mais discussão.”

De maneira geral, o debate de terça-feira, denominado Tabu – Homossexualidade no Futebol, foi considerado uma iniciativa pioneira. “Sempre houve homossexualidade no futebol”, disse o psiquiatra Paulo Gaudêncio, um dos convidados para falar sobre o tema. “A diferença, o progresso que estou vendo aqui é que se pode discutir uma realidade que existe, assim como existia anos atrás.”

Além de Gaudêncio, participaram do debate o jornalista Juca Kfouri, o publicitário Washington Olivetto e a jogadora Aline Pellegrino, ex-capitã da seleção brasileira de futebol. O jogador Paulo André, zagueiro do Corinthians, que havia confirmado participação, não pôde comparecer.

O evento foi realizado pelos museus da Diversidade e do Futebol. A Diversa, de acordo com informações divulgadas em seu site, está vinculada ao Instituto Rodrigo Mendes e desenvolve projetos em parceria com o Ministério da Educação.

Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.