Escolas ignoram homofobia. Vítimas até abandonam estudos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Escolas ignoram homofobia. Vítimas até abandonam estudos

Roldão Arruda

17 de maio de 2012 | 16h56

Hoje é o Dia Internacional contra a Homofobia. A escolha desta data é para lembrar que foi no dia 17 de maio de 1992 que a Organização Mundial da Saúde excluiu a homossexualidade da lista utilizada internacionalmente para a classificação de doenças e problemas relacionadas com saúde. Em outras palavras, na avaliação dos especialistas da OMS, a homossexualidade não é doença. Sobre esse tema vale aqui o registro de uma audiência realizada na terça feira (15), na  Câmara dos Deputados, para debater homofobia nas escolas.

De acordo com relato da Agência Câmara, a representante da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Nadine Borges, observou que os professores brasileiros não estão preparados para enfrentar o debate sobre a violência contra os homossexuais.

 A pesquisadora Miriam Abramovay, coordenadora da área de Juventude e Políticas Públicas da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso), observou que a maioria dos jovens é preconceituosa em relação à orientação e às práticas não heterossexuais. De acordo com pesquisa coordenada por ela, 45% dos alunos e 15% das alunas não querem ter um colega homossexual.

Miriam também assinalou que o jovem tem menos vergonha de manifestar abertamente seu preconceito contra homossexuais do que declarar qualquer tipo de discriminação contra os negros. No cotidiano das escolas, esse preconceito se traduz em insultos, violências simbólicas e violência física contra os jovens homossexuais.

E o que acontece com o rapaz ou a garota que é vítima desses constantes ataques?  Segundo a pesquisadora, eles sofrem com sentimentos de vulnerabilidade, baixa auto-estima e até chegam a abandonar a escola.  “Os adultos não se dão conta disso, porque na escola, em geral, reina a lei do silêncio”, afirmou.

O encontro em Brasília foi promovido pelas comissões de Educação e Cultura e Direitos Humanos. No domingo, em São Paulo, um grupo de mães de homossexuais participou da Marcha Contra a Homofobia.  Em Brasília, a marcha foi realizada ontem (16).

Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda

 

publicidade

publicidade