As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Comissão da Verdade ouve ex-agente do DOI-Codi

Roldão Arruda

30 de outubro de 2012 | 20h24

A Comissão Nacional da Verdade ouviu nesta terça-feira, 30, o depoimento do ex-analista do Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna do 2.º Exército em São Paulo (DOI-Codi/SP), Marival Chaves Dias do Canto. Ele tem sido apontado como uma das figuras centrais no esclarecimento de fatos relativos à ditadura militar.

Foi por meio de seus depoimentos a jornalistas, a partir de 1992, que se tornou possível começar a desmanchar a teia de informações que envolve a morte e o desaparecimento da cúpula de organizações políticas que se opunham ao regime militar, entre elas a direção do PCB, da ALN e do PC do B.

Após um depoimento de cinco horas diante da comissão, Marival declarou que pode voltar a depor, se for chamado. Contou que ingressou no Exército aos 18 anos, em 1965. Cursava a escola de sargentos quando deu baixa, em 1985, no início da redemocratização.

No período da ditadura teria trabalhado apenas com análise de informações, sem participar diretamente de ações de prisão, tortura, morte e desaparecimento de opositores do regime. Atuou na Segunda Seção do comando do 2º Exército, em São Paulo, e no DOI-Codi.

Marival confirmou que empresas e empresários simpatizantes do regime militar contribuíram com recursos financeiros e materiais para a repressão. “Antonio Carlos Bicalho Lana foi torturado e morto no sítio de um empresário do ramo de transportes”, disse o ex-militar, referindo-se ao militante da Aliança Libertadora Nacional (ALN), que, segundo a versão das autoridades, teria morrido em tiroteio, no bairro de Santo Amaro.

De acordo com o levantamento Direito à Memória e à Verdade, da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, após ter sido morto sob tortura, em 1973, Lana foi enterrado como indigente no Cemitério Dom Bosco, em Perus. Ele tinha 24 anos.

“Colegas dele daquela época já o chamaram de traidor, mas nunca desmentiram suas informações”, diz Marcelo Godoy, repórter do jornal O Estado de S. Paulo, que prepara um livro sobre o período.

Acompanhe o blog pelo Twitter – @Roarruda

 

 

publicidade

publicidade