As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vídeo mostra ministro liberando dinheiro público para atrair deputado ao PR

Jennifer Gonzales

06 de julho de 2011 | 17h56

Agência Estado

A revista IstoÉ adiantou para esta quarta-feira, 6, a sua edição semanal e publicou em seu site conteúdo de vídeo que mostra o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, que deixou o cargo na tarde desta quarta, em uma reunião, em seu gabinete, com o secretário-geral do PR, Valdemar Costa Neto (SP), em junho de 2009, tentando cooptar o deputado Davi Alves da Silva Júnior (MA), então no PDT, a ingressar no partido. Segundo a revista, o deputado teria garantida a liberação de R$ 1,5 milhão para um projeto em sua base eleitoral. O deputado hoje é filiado ao PR, segundo a Câmara.

Assista ao vídeo na íntegra

O diálogo, de acordo com a publicação, revela como dinheiro público era usado para cooptar políticos a ingressarem no PR. A revista destaca ainda que o vídeo comprova a atuação, no Ministério dos Transportes, do secretário-geral do PR, agindo, segundo a publicação, como uma espécie de “ministro de fato”. “E com amplo acesso a um cobiçado orçamento de R$ 21,5 bilhões para 2011”, diz a publicação. “É Costa Neto quem alicia o parlamentar, tem autorização para despachar de dentro do gabinete do ministro e orienta, quase determina, para onde vai e quando a verba será liberada”, afirma um trecho da edição de IstoÉ.

O ministro entregou há pouco carta de demissão à presidente Dilma Rousseff. Uma reportagem publicada pela revista Veja, neste fim de semana, apontou a existência de um suposto esquema de recebimento de propina no Ministério dos Transportes, que envolveria dirigentes do Partido da República (PR). A operação era baseada na cobrança de 4% de empreiteiras e de 5% das empresas de consultoria que elaboram projetos de obras em rodovias e ferrovias.

Após as denúncias, foram afastados do cargo o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, e o chefe de gabinete do Ministério dos Transportes, Mauro Barbosa Silva, além de dois funcionários.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.