As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Veja as frases de destaque do 8º dia de julgamento

Redação

13 de agosto de 2012 | 20h38

Flávia D’Angelo, de O Estado de S.Paulo

 

Durante o 8oitavo dia de julgamento do mensalão, a Corte seguiu na audiência das sustentações orais dos advogados. O destaque foi para a defesa de Roberto Jefferson e para a de Emerson Palmieri, ambos do PTB. Veja abaixo os principais destaques.

“Não existe neutralidade ideológica a não ser sobre a forma de apatia”– Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Confiaram na informação de Marcos valério que a própria denúncia não acha confiável” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Todo e qualquer inquérito é uma peça de ficção. É apenas uma narrativa, não é uma realidade” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Os textos do MP estão com furos como esparadrapos. Não passam de frases de efeito. As provas não são robustas, são anêmicas” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“A denúncia é uma incompetência técnica” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Tudo começa e termina no âmbito das interpretações” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“No autêntico Estado de Direito não há lugar para tiranos ou soberanos” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Ela usa a lógica ada condenação a qualquer custo e não a lógica da defesa” Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Não baterei demais na tecla que são inúmeros os delitos e as falhas do MP. Seja na denúncia, nas alegações finais ou na sustentação oral nesta Corte”– Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“O MP não conseguiu apresentar provas consistentes, apenas ilações”  Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Entendo que a brevidade deve ser a cortesia do orador” – Inocêncio Mártires Coelho, advogado de José Luiz Borba.

“Pouco importa se não estivermos agradando”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Quero lembrar aqui o que a ministra Rosa Weber disse no início deste julgamento, quando ela lembrou que esse processo é uma marcha para frente”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Passados esses 7 anos há uma evidente disperção sobre o assunto. A própria imprensa ela vai deixando a coisa tomar o rumo do esquecimento”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“A conduta deste deputado já foi examinada e desse exame o que restou foi o conhecimento de que ele não agiu, essa ele já passou”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Tivemos um presidente que perdeu por não ter essa base de sustentação”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“O processo político eleitoral necessita dessa base aliada”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Usa-se forças gramaticais aqui”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Não diga que R$ 102 mil reais tenham vindo dessa origem. Foi o rito de passagem que a Usiminas usou para fazer a conexão (contribuição)”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Aqui se houve o mensalão, houve o inverso porque o senhor Romeu Queiroz teve que arcar com todos os custos pelas transferências”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Estou vendo que Vossa Excelência está aqui impávido e desde o começo aqui” – Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz ao dirigir-se ao procurador-geral Roberto Gurgel.

“É muito melhor assistir na televisão do que estar aqui”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Meu cliente foi absolvido pela Câmara dos Deputados”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Chego a pensar que é um pouco romântico de que um deputado tenha vontade naquelas votações. Isso fica no plano teórico. Na prática nós sabemos que o líder determina”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“A segunda doação então veio mais clara ainda. Da Usiminas e quem disse isso foi o presidente da Usiminas”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Alguém já disse aqui que o PT não época não era o PT de hoje. A sua militância era extraordinária”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“A consciência da licitude não existe. O dinheiro tinha uma aparência sadia”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Ele passou a exercer uma liderança em seu partido. Não é parlamentar de um mandato só”– Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Romeu é um empresário muito bem sucedido em Minas Gerais, sempre foi” – Ronaldo Garcia Dias, advogado de Romeu Queiroz.

“Não resta dúvida em relação ao seu caráter. O que a defesa faz aqui não é em relação a Vossa Excelência. Não é em relação ao senhor , que tem uma aparência leve e lembra até o Jô Soares” – Itapuã Prestes de Messias advogado de Emerson Palmieri.

“Ética e moral você perde o respeito quando acontece um denúncia que vai para capa de revistas e jornais” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“A denúncia é irresponsável” – Itapuã Prestes de Messias advogado de Emerson Palmieri.

“A denúncia não leva em consideração valores éticos e morais, de um avô, de um pai de família” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Essa Casa depois do senhor (Ayres Britto), ficou mais poética” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Percebi que ética e valores éticos e morais não se compram e não se buscam” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Palmieiri se reuniu com Dirceu porque era ele que sabia a situação do PTB em todo País” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Emerson não é e nunca foi tesoureiro do PTB. É secretário e tem funções subalternas sim, mas tem funções específicas que não é coordenar verba de campanha” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Era preciso desmoralizar e desestruturar Palmieiri para cortar as pernas de Jefferson. Por isso, apareceu a lista de marcos Valério” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Segundo Jefferson, é mentira que Palmieiri recebeu qualquer coisa de Marcos Valério” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Roberto não estava sozinho nessa estória” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“E quando os órgãos extras do poder legislativo (MP, Procuradoria e PF) começou a atuar nesse caso, nada mais foi revelado” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Acho importante estebelecermos que tudo que Roberto (Jefferson) disse no Congresso no embate entre políticos e na medida em que os fatos foram denunciados, as cartas foram se abrindo” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Cadê a descrição da denúncia? Cadê o nexo de causalidade?”– Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“O que aconteceu nesse processo foi uma tentativa de vinculação de Emerson Palmieri a Roberto Jefferson” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Emerson desempenha um papel nesse processo de fundamental importância. Assim como Jefferson, ele é o segundo denunciante. Não é delator, porque delator é quem participou e entregou” – Itapuã Prestes de Messias, advogado de Emerson Palmieri.

“Roberto Jefferson foi acusado para ser silenciado para não abrir aquela boca enorme” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Sua excelência (Roberto Gurgel) quer jogar o povo contra o tribunal Porque não fez o seu trabalho. Omitiu” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Se o presidente da República só pode ser julgado pelo STF, peço que esse tribunal cumpra a lei e que o procurador chame o presidente Lula para esta Corte, porque ele é o mandante de todo esse crime” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“É preciso por contra essa caixa preta da Procuradoria Geral que contra a lei expressa que se deve tomar essas condutas” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Esta oração tem sujeito” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“O presidente é safo, e não só safo, como um honoris causa” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Não se pode imaginar então que o presidente era um pateta” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“A denúncia diz que os interesses eram de quem tem legitimidade. Vamos parar com isso! Conforme diz a Constituição, não é do governo. É do presidente. Ministros não têm legitimidade para propor lei. Quem tem legitimidade para isso é o presidente Lula” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Isso é um arrombamento, uma exposição. Isso não é uma conduta que se descreve de lavagem de dinheiro” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Não se sabia de onde vinha o dinheiro. O PT dizia que era proveniente de empréstimos” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“A transferência de recursos entre partidos é autorizada por lei” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“As direções nacionais do PTB e do PT ajustaram para aquela eleição municipal apoio material por recursos e transferência de dinheiro” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Os crimes a ele acusado é pelo único fato de ele ter recebido R$ 4 milhões de Marcos Valério” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Jefferson então foi a Lula e perante as testemunhas, deu ciência que isso estaria acontecendo e que isso prejudicaria o governo. Diz ele que o presidente se deu por surpreso e como qiue se sentindo traído chegou a lacrimejar (os olhos) e prometeu providências” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

“Isso no meu partido não acontece, se continuar eu vou denunciar” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson. 

“Pretendo demonstrar que a Ação Penal se revelou açodada e incompleta e por isso, improcedente e intimidatória” – Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson.

”Carlos Rodrigues tem absoluta certeza de sua inocência”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Carlos Rodrigues vem há 7 anos sofrendo por causa desse processo”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Constata-se não participou de qualquer organização criminosa”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Aqui só o fato de ter recebido é apontado pelo MP como crime”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Imaginar que o réu somente votaria com o governo federal por pagamentos é raciocínio que se mostra inverossímil. O alinhamento das votações PL e PT era necessário”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“É de espantar que o réu tenha negociado o seu voto, uma vez que o PL era da base do governo. O Partido Liberal era do governo, o vice-presidente era do PL”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“As pessoas demoraram mais de 1 ano para receber. Ele (Bispo Rodrigues) recebeu ameaça de morte”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Com esse dinheiro, Carlos Rodrigues pode finalmente pagar as dívidas de campanha de 2002″– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Valdemar (da Costa Neto) disse a Bispo Rodrigues: pode ir sim que depois nós acertamos os valores”– Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Carlos Rodrigues decidiu apoiar Anthony Garotinho à Presidência da República. Após o 1º, ele foi convencido a apoiar Lula ano 2º turno” – Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

“Ele jamais negou recebimento de dinheiro” – Bruno Alves Pereira de Mascarenhas Braga, advogado de Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues.

 

Tudo o que sabemos sobre:

MensalãoministrosSTF

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.