As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vaccarezza chama Bolsonaro de “estúpido” e defende que CCJ discuta caso

Jennifer Gonzales

31 de março de 2011 | 12h32

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

 O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), chamou de “estúpido” o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) que em entrevista ao programa CQC chamou de “promiscuidade” a possibilidade de um filho seu ter relacionamento com uma mulher negra. Vaccarezza defendeu que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) faça um debate sobre os limites da imunidade parlamentar em casos como este.

Veja também:

Estou me lixando para o movimento gay, diz Bolsonaro

Bolsonaro diz que errou, mas que não quer voto de ignorante

Assista à entrevista polêmica de Bolsonaro ao CQC

Presidente da Câmara encaminha quatro represantações contra Bolsonaro

Gabeira defende ‘trabalho pedagógico’ com Bolsonaro

Bolsonaro é demente ou está debochando, diz Jean Wyllis

Vaccarezza destacou que Bolsonaro já falou por diversas vezes de forma preconceituosa, principalmente contra os homossexuais. “O Bolsonaro tem se caracterizado como um deputado estúpido, mas ele foi eleito com esta estupidez”.

O líder do governo lembrou que os parlamentares têm direito a imunidade sobre o que falam e defendeu que o caso do colega seja debatido também pela CCJ e não somente pelo Conselho de Ética. “Eu acho que a imunidade parlamentar sobre o que ele fala é um dos pilares da democracia e por isso acho que é preciso tomar uma decisão mais ampla. Não se pode deixar esse assunto restrito ao Conselho de Ética, é preciso fazer um debate na Comissão de Constituição e Justiça”.

Vaccarezza destaca que o governo não deverá se envolver no caso, mas defendeu que o PP analise a conduta de Bolsonaro. “As posições dele não cabem em nenhum partido”.

Bolsonaro ironizou a qualificação de “estúpido” que recebeu do líder do governo. “Se eu tivesse chamado o Vaccarezza do mesmo adjetivo seria quebra de decoro, mas como ele diz é liberdade de expressão”, disse ele à Agência Estado. Bolsonaro afirmou que “não vai descer ao nível que Vaccarezza desceu com essa declaração”.

Tendências: