Chalita resolverá falta de vagas em creche, diz vice
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Chalita resolverá falta de vagas em creche, diz vice

luizamonteiro

05 de setembro de 2012 | 08h15

O Estado de S. Paulo

Em entrevista para a TV Estadão nesta quarta-feira, 5, a médica Marianne Pinotti, vice do candidato Gabriel Chalita (PMDB) à Prefeitura de São Paulo, disse que sua motivação para entrar na política é a saúde pública e a chapa tem um projeto para a construção de 4 novos hospitais. A candidata garantiu que Chalita resolverá o problema de falta de vagas em creches e irá implantar o ensino público em tempo integral: “Talvez demore 2 governos para colocar todas crianças em tempo integral, mas é preciso começar”.

Biografia. Também do PMDB, Marianne Pinotti é médica e contou com o apoio do vice-presidente da República, Michel Temer, na sua indicação para a vice. O fato de ser mulher e ter atuado na área da saúde também contaram ao seu favor. Marianne terá 30 minutos para apresentar suas propostas e responder às perguntas de jornalistas do Grupo Estado. O internauta também pode participar enviando perguntas pelo Twitter, usando a hashtag #viceChalita, pelo Facebook ou ainda pelo e-mail eleicoes2012@estadao.com.

Nessa terça-feira, Joaquim Grava, vice de Paulinho da Força (PDT), abriu a série Entrevistas Estadão com os postulantes a vice no pleito de São Paulo. Ainda nessa semana será entrevistado Edmilson Costa (PCB), vice de Carlos Giannazi (PSOL), na quinta-feira, 6. Na próxima semana, na segunda-feira, 10, será a vez de Luiz Flávio D’Urso, vice de Celso Russomanno (PRB); na terça, 11, Nádia Campeão (PC do B), vice de Fernando Haddad (PT); na quarta, 12, Alexandre Schneider (PSD), vice de José Serra (PSDB); e Lucas Albano (PMN), vice de Soninha Francine (PPS), na quinta, 13.

Abaixo, os melhores momentos da entrevista:

15h34 – “Minha visão da ação da cracolândia é muito ruim, essas pessoas foram apenas espalhadas pelas ruas”.

15h33 – Marianne diz que a chapa tem um projeto para dependentes químicos e propõe a união da Secretária da Saúde com a Educação para prevenção. “Isso vai ser uma guerra para a gente resolver”.

15h30 – Marianne diz que sua paixão é a saúde pública, mas quanto à política, caso Chalita não vença, não tem um projeto político para seguir.

15h27 – “Na verdade, SP tem grande cocnentração de hospitais no centro e falta na periferia. Nossa população dependente do SUS tem carência de leitos. Nosso projeto conta com a construção de 4 hospitais”. Marianne fala da importância de organizar a gestão dos hospitais.

15h26 – Pai de Marianne foi secretário da Educação por 1 ano e meio na gestão de Serra. “Ele acabou com as escolas de lata e com o período da fome. Ele começou a construir as escolas de tempo integral e fazer projetos culturais para crianças”.

15h25 – Na educação, vice diz que Chalita vai resolver o problema das creches e fazer escolas em tempo integral. “Talvez demore 2 governos para colocar todas crianças em tempo integral, mas é preciso começar”.

15h24 – Marianne fala sobre padrinhos políticos: que Michel Temer tem ajudado bastante na campanha e começará a aparecer mais na TV. “É importante que a população veja que quem vai governar não é o padrinho, mas o candidato”.

15h23 – “Eu tenho  certeza que a população de SP vai ver que ele tem propostas pé no chão e consegue trabalhar junto com governo estadual e federal”.

15h22 – “A campanha é muito tranquila. O Chalita não tem rejeição nenhuma, um moço jovem, bom, bonito, as pessoas querem estar perto. O que eu sinto é que s pessoas reconhecem mais o candidato”.

15h21 –  Marianne fala sobre liderança de Russomanno nas pesquisas: “O Russomanno era um candidatos mais conhecidos, tinha um programa bastante conhecido e visto. Acho que ele é mais uma 2ª alternativa para quem não queria votar no outro candidato mais conhecido”.

15h20 – “Acho que a pesquisa é uma fotografia do momento e nós temos muito tempo. Ainda tem grande parte de pessoas indecisas”.

15h19 – Marianne diz que Chalita está ficando mais conhecido pela população e que “a partir daí nós vamos crescer. Estamos esperando quem vai conosco para o 2ª turno”.

15h18 – Marianne diz que o “prefeito precisa dar as mãos para o governador e atuar na segurança. A gente precisa de iluminação, bandido gosta de escuro, uma melhora é iluminar ruas e calçadas”.

15h17 – Vice diz que tem acompanhado Chalita nas caminhadas pela periferia. “Choca ver as desigualdades que existem dentro de uma cidade tão rica, com pessoas vivendo em situações tão precárias. Esse é o grande desafio para o prefeito de SP”.

15h16 – Vice fala que solução do trânsito é investir em transporte público de qualidade.

15h15 – Vice diz que é preciso melhorar o transporte público e não implantar pedágio urbano.

15h14 – “Sou contra o aborto, sou a favor da vida. Sobre a legalização do aborto é um ponto que não vamos mexer na Prefeitura, é uma missão do nosso Legislativo”.

15h13 – Marianne fala que é contra o aborto. “Qualquer cidadão em sã consciência é contra o aborto”. Vice fala que é preciso ligar saúde com educação para evitar gravidez precoce na adolescência”.

15h11 – Marianne ressalta a importância de atendimento 24 horas.  “Construir  rede de tendimentos 24 horas seria importante”.

15h10 – “Hoje uma coisa que não temos é a visão de prevenção, exames de prevenção de doenças”. Marianne diz que sua primeira ação seria um choque de gestão básica na saúde.

15h09 – “Terei um papel na construção da saúde no programa do Chalita. Existe um caos na saúde paulistana, de gestão e de inteligência, precisa de uma reorganização imediata. Faltam equipamentos e leitos hospitalares. Mas acho que o pior problema hoje é a gestão”.

15h08 – Marianne diz que sua motivação para entrar na política é atuar na saúde pública.

15h07 – Vice de Chalita diz que candidato não pretende abandonar o mandato e deve ficar 4 anos, e 8 se for reeleito a prefeito. Marianne diz que Chalita terá atenção especial com as mulheres.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.