Vereador Ricardo Nunes diz que solução para vagas em creches é ampliar convênios
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vereador Ricardo Nunes diz que solução para vagas em creches é ampliar convênios

Lilian Venturini

26 de outubro de 2012 | 09h09

O Estado de S.Paulo

A entrevista à TV Estadão, nesta sexta-feira, 26, o vereador eleito pelo PMDB, Ricardo Nunes, afirmou que uma de suas principais preocupações é a falta de vagas nas creches. “É impossível acabar com os convênios, a solução é ampliar”, comentou. Ricardo Nunes encerrou a série de entrevistas com os novos nomes da Câmara de São Paulo em 2013.

Na reta final da campanhas, os candidatos a prefeito também discutiram o assunto. José Serra (PSDB) atacou o petista, acusando-o de defender o fim dos contratos com os convênios. Por outro lado, o programa de Fernando Haddad (PT) prevê o aumento de vagas através de parcerias com entidades comunitárias conveniadas.

 

Outro projeto do vereador é facilitar a autorização de alvarás aos comércios, desvinculando do processo de “Habite-se”.  Nunes ainda citou que o número de alvarás condicionados aprovados foram insuficientes para o tamanho da capital paulista.

O vereador criticou o processo de fiscalização de obras e desapropriações, enumerando como um grandes problemas da cidade. “A grande função do vereador é fiscalizar. São Paulo possui orçamento suficiente para isso, são R$ 42 bilhões”, justificou.

Embora apoie a descentralização em São Paulo, Nunes considerou que ainda não há condições da população eleger os subprefeitos. “Se as pessoas votarem em alguém que não tem alinhamento com o prefeito, vai ser um choque”, explicou. Em sua opinião, o subprefeito precisa ser alguém proveniente da região e que tenha aval das entidades.

Entrevistados. A série da TV Estadão entrevistou alguns dos novos vereadores com maior número de votos de cada partido. O mais votado, Roberto Tripoli (PV), recusou o convite. Ricardo Young, mais votado pelo PPS, também foi convidado, mas não vai participar por estar fora de São Paulo. Foram entrevistados Andrea Matarazzo (PSDB), Conte Lopes (PTB), Nabil Bonduki (PT), Ari Friedenbach (PPS), Mario Covas Neto (PSDB), Ota (PSB) e Toninho Vespoli (PSOL).

 

Abaixo os melhores momentos da entrevista:

14h37 – Vereador diz que SP tem orçamento suficiente para fazer uma fiscalização digna. “São 42 bilhões”. ”

14h34 – “A questão dos alvarás e da vigilância sanitária é muito importante. A grande função do vereador é fiscalizar. A vigilância tem que fiscalizar os alimentos e verificar se houve controle de pragas”.

14h31 – Vereador diz que foi presidente da ADESP e fala da importância de controlar as pragas urbanas e cita as doenças transmitidas por pombos e ratos.

14h30 – Vereador diz que é uma pessoa popular e tem contato com os eleitores.

14h28 – Vereador diz que a renovação de 40% na Câmara é bastante positivo. “Eu estou com uma vontade de trabalhar terrível”. “Político de profissão não é positivo para a cidade, porque depende do salário de vereador, acho que tem que ser por vocação”. Vereador diz que não irá viver de política, seu sustento virá de suas empresas.

14h25 – “Acho mais do que justo que o valor do IPVA que vai para o caixa-geral da Prefeitura, seja usado para o transporte público. Só com o dinheiro do IPVA faríamos 10 km de metrô por ano”. Vereador diz que poderia ser criada um empresa municipal para atuar na área de transporte sobre trilhos.

14h22 – “O Haddad como é uma pessoa inteligente, vai querer contar com a experiência do PMDB”. Vereador fala sobre possíveis cargos do PMDB caso Haddad vença: “Acho que o PMDB tem muito para contribuir com a administração. Acho normal participar do governo. Espero que ele vença, vou votar nele”.

14h20 – “A questão da creche é uma das mais que me preocupo. A questão da creche, eu entendo bastante. É impossível acabar com os convênios, a solução é ampliar”.

14h19 – “Emagreci 10 quilos, para você ver o tanto que foi duro para eu ganhar a eleição. Tive que andar muito”.

14h18 – Para o vereador, o nome do subprefeito teria que ter aval das entidades.

14h16 – Vereador diz que ainda não há condições da população votar nos subprefeitos. “A população vota em alguém que não tem alinhamento com o prefeito, vai ser um choque”. Ricardo diz que o subprefeito precisa ser da região.

14h15 – Vereador critica a administração centralizada em SP. “A centralização é burra, temos que descentralizar”.

14h13 – “O grande problema é a fiscalização. Quero fiscalizar as obras, as desapropriações”.

14h11 – Ricardo Nunes critica o escasso número de alvarás condicionados que foram aprovados em São Paulo. “É paliativo, precisamos trazer as coisas para realidade. Depois de 4 anos vai fazer o que?”

14h08 – Vereador diz que um de seus principais projetos é melhorar a lei que autoriza alvarás aos comércio, desvinculando do Habite-se.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.