As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

TSE mantém no ar inserção de Dilma considerada ofensiva por campanha de Serra

Camila Tuchlinski

10 de outubro de 2010 | 18h27

Fonte: TSE

O ministro Joelson Dias, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou liminar em que o candidato tucano à Presidência da República, José Serra, pedia a suspensão da veiculação de propaganda de 15 segundos, na modalidade inserção, que tem sido veiculada desde a manhã do último sábado no rádio, no tempo reservado à também candidata Dilma Rousseff. Para Serra, a inserção configuraria insulto à sua honra.

De acordo com a coligação “O Brasil pode mais”, que apoia Serra, trechos do jingle questionado diriam que “Serra só dá bola pra rico” e que ele diz que é do bem “mas é do PSDB, ele é da turma do FHC”.

Liminar

Em análise preliminar, o ministro Joelson Dias afirma que não vislumbra “imputação precisa que respalde, sem margem de dúvida, a relevância jurídica do pedido e, consequentemente, autorize o deferimento da liminar reclamada”.

Direito de resposta

Além da suspensão da inserção, a coligação “O Brasil pode mais”, pediu também o direito de reposta pelo tempo de um minuto para cada vez que esta inserção for veiculada.

Para o ministro, somente quando da análise mais detida da ação, por meio do exame do mérito, é que se poderá concluir se a propaganda ultrapassa o direito de crítica e se veicula suposta mensagem ofensiva apta a possibilitar o referido pedido de direto de resposta.

Tudo o que sabemos sobre:

DilmaSerraTSE

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.