As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

TRE dá 48h para Facebook identificar links patrocinados a favor de Alckmin

Decisão atende pedido movido pela campanha de Paulo Skaf (PMDB) que acusa tucano de turbinar o número de curtidores em sua página

Redação

23 de julho de 2014 | 23h01

Carla Araújo

São Paulo – O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) concedeu uma liminar à campanha do candidato ao governo paulista Paulo Skaf (PMDB) contra o Facebook e o atual governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB) por supostas irregularidades na campanha na web.

De acordo com a coordenação jurídica da campanha de Skaf, o governador teria burlado a proibição de propaganda eleitoral paga na internet ao turbinar o número de curtidores de sua página no Facebook utilizando de links e posts patrocinados.

De acordo com a decisão do juiz auxiliar Marcelo Coutinho Gordo, o Facebook tem um prazo de 48 horas para informar a identidade e qualificação do contratante de links patrocinados em benefício de Geraldo Alckmin, e os valores pagos, até o momento, em razão da execução do ajuste.

A ação, promovida pela Coligação Majoritária “São Paulo Quer o Melhor – PMDB – PDT – PSD – PP – Pros”, alega que Alckmin teve um aumento “brutal” de exposição na rede social e, com isso, ampliou a base que hoje recebe notícias sobre as eleições por meio de sua página no Facebook. De acordo com os advogados de Skaf, em dezembro do ano passado, Alckmin tinha 100 mil seguidores e em seis meses atingiu 320 mil. “Muito acima do que é esperado para quem não usa links patrocinados”, diz a ação.

O objetivo da campanha de Skaf com a ação é que a Justiça determine ao Facebook que retifique o número de curtidores do perfil de Alckmin, passando a contabilizar somente curtidores registrados sem uso de links patrocinados. Procurada, a assessoria de campanha de Alckmin afirmou que ele não se manifestará.

Tudo o que sabemos sobre:

EleiçõesGeraldo AlckminPaulo Skaf

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.