As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sócio de Marcos Valério é o primeiro condenado do esquema do mensalão

Camila Tuchlinski

01 de setembro de 2010 | 19h10

Fonte: Agência Brasil

O advogado Rogério Lanza Tolentino é o primeiro condenado por envolvimento no chamado mensalão, um esquema de pagamento de propina a parlamentares em troca de apoio político denunciado em 2005. Apontado como sócio da empresa SMP&B Comunicação, do publicitário Marcos Valério, Tolentino foi condenado pela Justiça Federal a sete anos e quatro meses de prisão e ao pagamento de R$ 2 milhões por crime de lavagem de dinheiro.

A Justiça determinou também a perda dos bens já sequestrados em 2008 e a  proibição do exercício de cargo ou função pública por cerca de 15 anos. A denúncia, feita pelo Ministério Público Federal em Minas Gerais, resultou da apuração do inquérito do mensalão.

O relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, referiu-se a Tolentino como “verdadeiro braço direito de Marcos Valério, acompanhando-o em reuniões com outros acusados, indo à sede de empresas aparentemente envolvidas no suposto esquema de lavagem de dinheiro e inclusive fazendo repasses de dinheiro através de sua empresa, Lanza Tolentino & Associados”.

Conforme a denúncia, Tolentino agiu entre 2002 e 2005 e dizia que os altos valores que movimentava decorriam de sua atividade profissional. Para o juiz da 4ª Vara Federal Alexandre Buck Medrado Sampaio, “a versão do réu sobre a origem se choca e se desmonta com as perícias realizadas”.

A defesa do advogado ainda pode recorrer da decisão no Superior Tribunal de Justiça.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal negou pedido da defesa de Tolentino para que o Instituto Nacional de Criminalística complementasse informações requeridas pelo ministro Joaquim Barbosa sobre contrato celebrado entre a empresa do réu e o banco BMG. Ele é um dos 39 réus da ação penal que corre no Supremo.

Tudo o que sabemos sobre:

Mensalão

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.