As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

CPI desiste de votar convocação de governadores e aceita quebrar sigilo

Lilian Venturini

29 de maio de 2012 | 14h59

do estadão.com.br e Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo

A CPI do Cachoeira decidiu deixar para a próxima sessão administrativa, marcada para o dia 5 de junho, a análise dos requerimentos de convocação dos governadores de Goiás, o tucano Marconi Perillo; do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiróz; e do Rio de Janeiro, o peemedebista Sérgio Cabral. O presidente da CPI, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), vai fazer um parecer técnico para definir se a comissão tem ou não poderes para convocar governadores de Estado. A comissão decidiu ainda pela aprovação da quebra de sigilo da Delta Construções, ligada a Cachoeira.

Depois de nove reuniões, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira elegeu na sessão desta terça-feira, 29, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) para a vice-presidência da Comissão. Em votação secreta, Teixeira obteve 21 votos. Seu adversário, o senador Pedro Taques (PDT-MT) conquistou oito votos. Dois senadores anularam o voto.

Com a eleição do petista para a vice-presidência, todos os cargos chaves da CPI estão nas mãos de governistas – a presidência da Comissão com o PMDB e a relatoria com o petista Odair Cunha (MG). O nome do Taques foi lançado pelo líder do PSDB, Álvaro Dias (PSDB-PR).

A reunião desta terça da CPI é destinada a votar requerimentos. Com a decisão de não votar a convocação de governadores de Estado, o requerimento mais importante é o que propõe a quebra do sigilo bancário e fiscal da matriz da Delta Construções. O líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), disse nessa segunda-feira, 28, que o partido é contra a aprovação desse requerimento.

 

Abaixo, os principais momentos:

16h10 – Após aprovar a quebra dos sigilos, a comissão finalizou a sessão. A próxima reunião está prevista para a manhã desta quarta-feira, 30

16h05 – A CPI aprovou a quebra dos sigilos da Delta Construções. O requerimento foi aprovada pela ampla maioria da CPI. Apenas o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) votou contra

15h58 – Parlamentares Miro Teixeira e Randolfe Rodigues defederam a quebra de sigilo e sustentam que o pedido já deveria ter sido aprovado. “Está ficando inexplicável (não quebrar o sigilo) perante à população”, afirmou o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ). Não houve parlamentares inscritos para falar contra à quebra.

15h52 – Todos os requerimentos lidos pela comissão foram aprovados. Agora, o deputado Odair Cunha, relator da CPI, lê o requerimento para a quebra de sigilo bancário da Delta, a partir de 1º de janeiro de 2012. Os parlamentares terão direito a falar a favor e contra à quebra.

15h38 – Relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), lê requerimentos seguidos de convocações de testemunhas para depor na comissão. Entre os nomes, estão funcionários de empresas ligadas a Carlinhos Cachoeira, entre elas unidades da Delta nos Estados. Pede também mais documentos da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, e a íntegra de depoimento de Carlinhos Cachoeira.

15h27 – Deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) defende quebras de sigilo da Delta para a comissão avançar nas investigações. Parlamentares dão início ao debate sobre a convocação de governadores.

15h12 – Comissão faz a contagem dos votos.

15h02 – Parlamentares fazem votação secreta para escolha do vice-presidente da CPI mista do Cachoeira. A eleição foi solicitada na última sessão.

14h45 – Começa a sessão, com45 minutos de atraso.

Tudo o que sabemos sobre:

cpi do cachoeira

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.