As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Serra e Haddad são os mais mencionados no Twitter, aponta estudo

Paula Carvalho

27 de junho de 2012 | 19h07

Isadora Peron, de O Estado de S. Paulo

Um estudo divulgado nesta quarta-feira, 27, apontou que o tucano José Serra e o petista Fernando Haddad são os pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo mais citados no Twitter. O monitoramento foi feito pela empresa E.life entre os dias 1º e 31 de maio e reuniu os principais comentários sobre 19 possíveis candidatos na cidade. Ao todo, foram analisados 4.598 tweets.

Depois de Serra com 35% das menções e Haddad, com 26,5%, aparecem Gabriel Chalita (11,3%), Soninha Francine (10,2%) e Celso Russomanno (6,8%).

Segundo a pesquisa, no período analisado o nome de Serra foi muito comentado por causa de uma pesquisa eleitoral que o mostrou na liderança da disputa. Por outro lado, as mensagens falavam também sobre o alto índice de rejeição do pré-candidato. O apoio do DEM ao tucano foi outro destaque no Twitter.

Haddad, por sua vez, teve seu nome ligado ao neurocientista Miguel Nicolelis, que manifestou naquela época a intenção de transferir o seu título de eleitor para São Paulo para votar no petista. Os nomes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da atual presidente Dilma Rousseff também são constantemente ligados a Haddad.

Já o deputado Gabriel Chalita foi cobrado pelos internautas por ter votado a favor do Código Florestal; Soninha foi criticada por conta de uma declaração à respeito da pane do metrô, dando origem à hastag #CalaBocaSoninha; e Russomanno foi mencionado por conta das alianças que fechou no período com dois partidos nanicos, o PHS e o PRP.

A pesquisa também mostrou os principais tópicos apontados pelos usuários do Twitter em relação aos pré-candidatos às prefeituras do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Tudo o que sabemos sobre:

eleições 2012HaddadSão PauloSerra

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.