As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Serra e FHC ficam confinados

Armando Fávaro

10 de abril de 2010 | 13h14

Por Ana Paula Scinocca e Julia Duailibi, de Brasília

Na festa de lançamento da sua própria pré-candidatura, o tucano e anfitrião José Serra teve de ficar confinado numa espécie de “bunker” improvisado ao lado do auditório onde faria seu discurso. Ele e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ficaram ilhados no local por mais de quinze minutos porque o auditório reservado para o encontro, num hotel em Brasília, não comportou a militância nem os políticos convidados, que desfilavam com assessores e câmeras de fotografia para registrar abraços com os tucanos do alto clero.

A confusão ocorreu quando Serra e FHC chegaram ao palanque, onde discursariam. Como o corre-corre foi muito grande, houve ouve risco de desabamento do palanque. Por isso, foi necessária a retirada dos dois.

Havia cerca de 2 mil pessoas dentro do auditório, fora parte da militância que foi alocada numa sala, longe das estrelas do partido, onde foram colocadas mesas e servido kits de lanche. Ao todo, a organização estimou 4 mil pessoas no evento.

Antes de Serra chegar, integrantes do PSDB, DEM e PPS esbarravam uns com os outros ao som de samba e forró. Os próprios políticos espantavam-se com a quantidade de gente no local e brincavam dizendo que caiu a “lenda” de que o PSDB, diferentemente do PT, não tem militância. “Primeiro é o fermento. Depois a massa. Quem tem fermento faz a massa crescer”, afirmou o ex-secretário de Relações do Emprego do governo Serra, Guilherme Afif Domingos.

Mas havia no local uma divisão entre uma militância de primeiro escalão e outra de segundo. Quando Serra chegou, convidados que não estavam entre os “Vips” invadiram o salão principal. Muitos militantes foram colocados em salões anexos. Vieram de ônibus, de diferentes Estados, e tiveram a viagem, hospedagem e alimentação custeadas pelo partido.

Sara Ferreira foi uma delas. Ela é do Grajaú, zona Sul de São Paulo. Nem se incomodou de não ver José Serra de perto. “Vale tudo. Estamos muito felizes e nunca vimos o PSDB tão unido”, comemorou. À espera do
início do evento, Sara e mais de 3 mil militantes receberam suco, lanches e bombons. Do lado de fora, fitas do Senhor do Bonfim eram entregues a quem chegava.

Até a equipe de comunicação de Serra, e o seu marqueteiro Luiz Gonzalez, chegaram a ser barrados na porta do evento.

Tudo o que sabemos sobre:

bunkerFHCPSDBSerra

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.