Serra conhece leopardo da Copa e tenta soprar vuvuzela
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Serra conhece leopardo da Copa e tenta soprar vuvuzela

Camila Tuchlinski

23 de março de 2010 | 09h39

serra

Foto: Ricardo Trida/Diário do GDE ABC/AE

Não será de uma vuvuzela que o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), vai anunciar oficialmente sua candidatura à Presidência da República. Com o mascote oficial da Copa do Mundo da África do Sul ao seu lado – o leopardo Zakumi -, o tucano tentou usar a corneta usada pela torcida sul-africana e que ficou mundialmente conhecida durante a última Copa das Confederações para fazer um agrado à delegação encarregada de divulgar o evento.

A reunião no Palácio dos Bandeirantes foi pouco antes do anúncio sobre o investimento de R$ 1,5 bilhão que a GM do Brasil fará no Estado. Enquanto os jornalistas esperavam o governador para o anúncio, Serra conversava a portas fechadas com a vice-ministra de Turismo da África do Sul, Thokozile Xasa.

Dentro da sala – cujo acesso estava restrito a fotógrafos e câmeras de TV -, o tucano ouvia Xasa com o punho direito amparando o rosto. À mesa, os sul-africanos contavam com o apoio de Cafu, capitão do pentacampeonato mundial em 2002 e recém-promovido embaixador da Fifa no Brasil para a Copa de 2010, para apresentar projetos e convidar Serra a assistir aos jogos, em junho. Zakumi não estava presente.

IMG00001-20100322-1759

Foto: Rodrigo Alvares/AE

Um pouco depois, já na Sala 4 – onde geralmente o governador recebe os jornalistas -, ele posou para fotos ao lado de Zakumi e ganhou uma vuvuzela de presente.

“It’s a nice name” (É um nome bonito), disse à vice-ministra, pouco antes de soprar o instrumento. O resultado rendeu gargalhadas de todos os presentes e sobrou para Cafu tentar ensinar a Serra como manuseá-lo. O lateral arrancou aplausos. O tucano tentou mais uma, duas, três vezes e desistiu.

Ao fim da coletiva da GM, Serra se negou a responder qualquer pergunta que não fosse relacionada ao assunto. Mas não resistiu quando a reportagem do estadão.com.br perguntou a ele se gostou de soprar a vuvuzela: “É muito difícil soprar aquilo”, afirmou. “Além de força, precisa ter a técnica do Cafu.”