Semana Política é marcada por nova pesquisa, sabatina de presidenciáveis e recusa de Aécio em ser vice
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Semana Política é marcada por nova pesquisa, sabatina de presidenciáveis e recusa de Aécio em ser vice

Camila Tuchlinski

28 Maio 2010 | 16h06

Por Rodrigo Alvares

Segunda-feira (24/05)

banner2405-480

Eleitorado ‘fiel’ a Lula supera o que declara intenção de voto em Dilma

Por Daniel Bramatti

A última pesquisa Datafolha, que mostrou um empate entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), indica que a pré-candidata petista ainda tem potencial para crescer no contingente de eleitores disposto a seguir a indicação de voto dada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dilma tem 37% das intenções de voto, menos do que os 44% de eleitores que dizem que votarão no candidato de Lula “com certeza”.

Radar Político: Suplência de Marta emperra negociação para definir Suplicy como vice de Mercadante

Por Rodrigo Alvares e Fabio Leite

Nem PDT, nem aliados. O motivo que emperra a confirmação do senador Eduardo Suplicy como vice de Aloizio Mercadante na chapa do PT ao governo paulista chama-se Marta Suplicy. Segundo petistas da coordenação da campanha de Mercadante, a ex-prefeita e pré-candidata da sigla ao Senado está reticente em deixar a vaga de 1º suplente para o PDT, que pleiteia o posto em troca da indicação do vice na coligação.

Terça-feira (25/05)

banner2505-480

Serra ataca Dilma e eleva o tom das críticas ao governo Lula; leia a íntegra

Por Carol Pires e Rodrigo Alvares, do Estadão.com.br

Tom do discurso do pré-candidato do PSDB subiu um tom em relação à petista Dilma Rousseff. No debate passado, na Marcha dos Prefeitos, Serra havia elogiado aspectos do governo Lula. Neste, criticou os discursos truncados da ex-ministra.

João Bosco Rabello: Dilma sem Lula faz Serra subir o tom

O que mais chamou a atenção na sabatina dos presidenciáveis promovida ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) foi a performance de José Serra. No primeiro ambiente em que dividiu as atenções com Dilma Rousseff, sem Lula a fazer sombra à candidata, o ex-governador partiu para o ataque. Produziu uma avant-première da campanha após a Copa do Mundo, pródigo em críticas ao governo e à exposição de sua antecessora na tribuna.

Direto do Estadão: os candidatos na sabatina da CNI

João Caminoto, editor do portal Economia & Negócios, comenta a participação de Dilma Rousseff e José Serra na sabatina da CNI.

Quarta-feira (26/05)

2605-02-480

João Bosco Rabello: Espera por Aécio gera desgaste para campanha de José Serra

O prolongamento excessivo da novela do vice de José Serra começa a fazer mal à sua campanha. Estratégia ou indecisão mineira, o suspense em torno de Aécio Neves já passou do limite razoável e faz do ex-governador personagem concorrente na cena política. Se for estratégia, é hora de concluí-la.  Se for conflito – o mais provável –  também já produz um desgaste político ao PSDB.

No RJ, Serra diz que governo da Bolívia é cumplice de traficantes

Por Alfredo Junqueira, do Rio

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, afirmou que o governo boliviano é cúmplice das quadrilhas de traficantes locais, que enviam, segundo ele, 90% da cocaína produzida no país para ser consumida no Brasil. De acordo com Serra, é impossível que as autoridades bolivianas não saibam do envio desta quantidade da droga para o Brasil.

“A cocaína vem de 80% a 90% da Bolívia, que é um governo amigo, não é? Como se fala muito”

– José Serra (PSDB)

Quinta-feira (27/05)

banner27-05

Aécio Neves rejeita pressão e nega que será vice de José Serra

Por Eduardo Kattah, de Belo Horizonte

“A minha decisão não pode ser tomada a partir de opiniões pessoais, até de boas intenções de alguns companheiros. Elas são legítimas, mas a minha decisão tem de ser tomada através de uma análise muito profunda que eu faço do cenário político. E estou absolutamente convencido de que a melhor forma de ajudar a dar a vitória ao governador Anastasia (…) e ao companheiro e amigo José Serra é estando em Minas Gerais como candidato ao Senado.”

Aécio foi descartado como vice de Serra há 6 meses, diz Guerra

Por Carol Pires, do Estadão.com.br

“Há seis meses o governador Aécio Neves disse a mim e ao senador Tasso Jereissati que não seria vice, e não gostaria de ser pressionado a sê-lo, mas que iria ajudar na campanha de José Serra.”

– Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB

TV Estadão: A repórter Julia Duailibi comenta o programa do DEM exibido no dia 27 de maio de 2010

Michel Temer fala sobre propostas do PMDB para eventual governo Dilma; ouça

Por Malu Delgado

“É uma candidatura do presidente e do vice-presidente. Portanto, vamos integrar todos um núcleo só de campanha”

– Michel Temer (PMDB)

Sexta-feira (28/05)

2805-480

Barbosa liga Rodrigo Maia a esquema de Arruda

Por Rodrigo Rangel e Leandro Colon, de Brasília

O delator do “mensalão do DEM” do Distrito Federal, Durval Barbosa, afirmou ao Estado que o presidente nacional do partido, deputado Rodrigo Maia (RJ), era um dos beneficiários do esquema montado pelo governador cassado José Roberto Arruda.

“O acerto do Rodrigo era direto com o Arruda”, disse Barbosa. Autor dos vídeos que levaram à queda de Arruda, de quem foi secretário de Relações Institucionais, Barbosa afirmou que a participação do presidente nacional do DEM é uma das vertentes da nova fase das investigações, com as quais colabora por meio de um acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal.

Bolívia afirma que declarações de Serra são ‘irresponsáveis’ e ‘político-eleitorais’

Por Ariel Palacios, de Buenos Aires

“Irresponsáveis” e “político-eleitorais” foram as expressões utilizadas nesta sexta-feira, 28, pelo Ministério da Relações Exteriores da Bolívia para definir as declarações realizadas pelo pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, que especulou nesta semana que o governo boliviano poderia ser eventual cúmplice do tráfico de cocaína da Bolívia para o Brasil.

Segundo a chancelaria boliviana, as declarações de Serra foram “desaprensivas” (palavra usada para ‘irresponsáveis’, ‘imorais’ ou ‘inescrupulosas’), pois “fariam alusão a nosso país em relação ao tráfico ilegal de drogas”.

Siga Política do estadão.com.br no Twitter

Mais conteúdo sobre:

BrasíliaEleiçõessemana política