As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sem-terra invadem Porto de Maceió

Ricardo Chapola

10 de fevereiro de 2011 | 12h34

Ricardo Rodrigues

MACEIÓ – Centenas de trabalhadores rurais sem terra ocuparam na manhã desta quinta-feira, 10, o Porto de Maceió, no bairro de Jaraguá, causando um estacionamento enorme de carretas e caminhões carregados de açúcar e outros produtos que estavam sendo levados ao cais. De acordo com a administração do Porto, que ainda não calculou os prejuízos, a ocupação aconteceu por volta das 7 horas da manhã desta quinta.

Os trabalhadores rurais, ligados à Comissão Pastoral da Terra (CPT), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST) e o Movimento Terra, Trabalho e Liberdade (MTL) -, reivindicam uma maior atenção das autoridades, assistência às famílias que vivem em acampamentos e políticas públicas para os moradores de assentamentos.

O administrador do Porto, Petrúcio Bandeira, e policiais militares do Grupo de Gerenciamento de Crises da Polícia Militar estão no local para tentar negociar com as lideranças dos movimentos a desocupação do Porto. O trânsito na região está complicado e equipes do Batalhão de Trânsito (Bptran) e da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) foram acionadas.

Segundo os lideremos dos quatro movimentos, a ação tem como objetivo chamar a atenção das autoridades e protestar contra a violência no campo, a destruição de 100 hectares de alimentos e o despejo de 200 famílias camponesas no mês de janeiro, que estavam produzindo e sobrevivendo do trabalho na terra há vários anos.

Os sem-terra alegam não ter alternativa de sobrevivência e nem outro local para irem morar. Eles culpam os grandes empresários do agronegócio pela expulsão do homem do campo para as cidades e a ampliação da miserabilidade.

De acordo com os movimentos sociais, a Vara Agrária de Alagoas, o governo do Estado e a superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) deveriam dar as condições para as famílias camponesas viverem com dignidade, mas estão contribuindo para o aumento dos problemas sociais e burocratizaram a reforma agrária no Estado.

Os líderes dos sem-terra afirmam que a ocupação do Porto é por tempo indeterminado e que o acampamento na Praça Sinimbu permanece até que suas reivindicações sejam atendidas. Além disso, eles prometem intensificar os protestos ao longo da semana. Desde o início do ano, um grupo de trabalhadores rurais ocupa parte do prédio onde funciona a sede do INCRA em Maceió.

Tudo o que sabemos sobre:

MaceióportoSem terra

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.