As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sarney reconhece que corte traz desconforto ao Congresso

Jennifer Gonzales

01 de março de 2011 | 13h11

Eduardo Bresciani, do Estadão.com.br

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), reconheceu nessa terça-feira, 1º, que o corte de R$ 18 bilhões em emendas parlamentares traz “desconforto” aos parlamentares. Ele ressaltou, porém, que o Congresso precisa aceitar a decisão.

“Acho que não se trata de insatisfação mas de certo desconforto. Os cortes são necessários porque temos que manter a estabilidade econômica e nós do Congresso temos que dar nossa cota de sacrifício. O legislativo não pode deixar de dar a sua contribuição”, afirmou.

Sarney afirmou que a volta da inflação seria muito ruim para o país e por isso é preciso colaborar com a estabilidade econômica do país.

O presidente do Senado afirmou que a redução de recursos par ao Bolsa Família não pode ser interpretada como um corte. “Não é um corte nos programas sociais existentes, o que não seria admitido. O governo apenas diminuiu o ritmo, o que não ofende a linha social do governo. Houve uma desaceleração nos investimentos”.

Sobre a reforma política, para qual a Câmara e o Senado têm comissões independentes, Sarney disse esperar um “encontro de idéias” e que a votação aconteça ainda em 2011.