As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Relatório de entidade dos EUA critica censura ao ‘Estadão’

Jennifer Gonzales

15 de fevereiro de 2011 | 13h03

Gabriel Manzano

O relatório Ataques à Imprensa em 2010, divulgado pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), de Nova York, apontou aumento na censura no Brasil. Segundo o trabalho, muitas agências de notícias de todo o Brasil foram multadas, tiveram de remover conteúdos ou foram impedidas de divulgar informações ao longo de 2010. E destaca, também, o fato de já passar de um ano a censura ao jornal O Estado de S. Paulo e ao portal Estadão.com.br, impedidos de divulgar investigações da Polícia Federal envolvendo o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney. 

“Esse quadro mostra que a censura, e a autocensura que ela traz junto, estão atingindo níveis muito sérios no País”, afirmou ontem o coordenador do Comitê de Proteção a Jornalistas, Carlos Lauria, ao apresentar o documento Ataques à Imprensa em 2010. O relatório informa também que, em todo o mundo, 44 jornalistas foram mortos em serviço e 145 foram presos durante o ano – eram apenas 9 no ano anterior. Com 400 páginas, o documento foi lançado pelo Comitê também em Nova York, Madri e Bruxelas.

Lauria considerou “espantoso que num País como o Brasil um dos maiores jornais seja proibido de noticiar um grande escândalo, que envolve figuras políticas conhecidas”. De São Paulo ele vai a Brasília, onde se reunirá na quinta-feira com autoridades da Secretaria das Comunicações (Secom), dos Direitos Humanos e será recebido no Supremo Tribunal Federal.

Segundo o levantamento do CPJ, a censura está em ascensão por todo o continente – em especial no México, em Honduras, na Venezuela e no Equador. No México, o crime organizado praticamente silenciou a imprensa fora da capital, matando 30 jornalistas na última década. “É dramático ver como, em uma ou duas semanas, os criminosos matam 5 ou 10 pessoas, em lugares como Puerto Juarez ou Reynosa, e não sai uma linha em nenhum jornal”, diz ele. “Episódios assim já se tornaram comuns.”

Além de análises de 50 países, o Comitê detalha um a um os casos de 44 jornalistas assassinados durante o ano, e lista os 145 presos, um dos quais um jovem iraniano de 18 anos. A tática mais usual, lembrou Lauria, é tirar os casos do contexto da imprensa, condenando os detidos de forma vaga, por atuar “contra o interesse nacional”. Irã e China, cada um com 34 detidos, são os recordistas dessas prisões.

Atualizado às 14h45

Tudo o que sabemos sobre:

censuraEstadãoImprensamídiaSTF

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.